Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle

Compare: Satiagraha x Lava Jato

April 6, 2017

 

A Justiça Federal decretou semana passada a prisão do ex-delegado Protógenes Queiroz, por faltar à audiência que definiria a forma de cumprimento da pena à qual foi condenado pelo STJ, em 2014, por violação de sigilo funcional, ou seja, por vazamento de informações quando ele comandava a Operação Satiagraha, em 2008. Na operação, o então delegado da Polícia Federal investigou crimes financeiros, de corrupção e lavagem de dinheiro que levaram à prisão do banqueiro Daniel Dantas e do prefeito Reinaldo Pitta, morto em 2009, e ao indiciamento de alguns “cardeais” do governo da época, como o economista Pérsio Arida, ex-presidente do Banco Central no governo FHC. Toda a operação Satiagraha foi anulada pelo sob alegações do “vazamento” e de que arapongas da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) atuaram ilegalmente no inquérito.

 

Adib Abdouni, advogado de Protógenes Queiroz, afirma que a decisão “é ilegal e imoral” e diz que seu cliente é o único delegado no país condenado por vazar informações. “Na Lava Jato todos fazem isso”, disse. Ele ainda alega que a juíza que condenou seu cliente, Andréia Moruzzi, da 1ª Vara Federal de São Paulo, é sobrinha do ex-presidente José Sarney e, segundo ele, “agiu com total interesse”.

 

Protógenes Queiroz está asilado na Suíça desde 2015, por alegar perseguição da Justiça e ameaças..Para saber mais, leia “Satiagraha & Lava Jato: dois pesos, duas medidas”, no blog do jornalista Marcelo Auler: http://marceloauler.com.br/satiagraha-lava-jato-dois-pesos-duas-medidas/

 

Com informação da Agência Brasil - Foto: Protógenes Queiroz (José Cruz/Agência Brasil)

Please reload

Leia também:
Please reload