Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle

Moreira na mira de Janot

June 6, 2017

 O Tijolaço, de Fernando Brito (www.tijolaco.com.br), revela que o Procurador Geral da República está no encalço de Moreira Franco, beneficiado por Medida Provisória do presidente Michel Temer para permanecer com status de ministro e, portanto, com foro privilegiado. Veja as informações abaixo e confira tudo na fonte do Tijolaço.

 

O Procurador Geral da República acrescentou um complicador para Michel Temer: enviou ao Supremo Tribunal Federal parecer pedindo a anulação da Medida Provisória que reconduziu Moreira Franco ao cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República.

 

Janot disse que a nova medida provisória que supriu a revogação da primeira nomeação de Moreira Franco, que venceu sem ser votada pelo Congresso no dia 1° deste mês “configura evidente burla à ordem constitucional, em especial aos arts. 2º e 62, caput e § 10”.

 

Para ele, “prolongam-se, por esse artifício, os efeitos de norma, que perderia eficácia por ausência de apreciação pelo Congresso Nacional, no prazo constitucional estipulado. A Constituição não confere tal prerrogativa ao chefe do Executivo”.

 

Também, segundo o procurador, a nova MP não “atende ao requisito constitucional de urgência, previsto no art. 62, caput, da Constituição da República. Ao revogar a MP 768/2017, o Presidente da República rejeitou seu próprio ato e retirou-o de apreciação pelo Congresso Nacional. Trata-se de conduta inconciliável com a própria natureza urgente da medida”.

Please reload

Leia também:
Please reload