Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle

Ultraje à democracia, memória e verdade

August 10, 2019

Artigo de Waldeck Carneiro 

 

Em recente artigo publicado na Folha de São Paulo, Celso Barros afirmou que Bolsonaro teria cometido "estelionato eleitoral", se, no exercício da presidência, não estivesse tentando destruir as bases da democracia brasileira. Em reflexão também recentemente divulgada nas redes sociais, Celso Amorim chama a atenção para o fato de que as atitudes e declarações grotescas, sombrias e autoritárias do presidente não são mera pirotecnia para distrair a sociedade em relação às medidas estruturantes e antinacionais que seu governo vem tomando. Concordo com ambos.
Com efeito, ao longo de seus sete inexpressivos mandatos na Câmara Federal, onde figurou na retaguarda do "baixo clero", e durante a campanha presidencial de 2018, Bolsonaro sempre deu inúmeros sinais de profundo desapreço pela democracia, como salientou Barros. Afirmou que a ditadura civil-militar (1964-1985) deveria ter matado muito mais gente. Propôs a execução de um presidente da República por discordar de suas decisões. Reconheceu publicamente que tinha como ídolo um cruel torturador. Na última campanha presidencial, deixou claro que, caso perdesse as eleições, não aceitaria o resultado e, na reta final, mesmo quando liderava todas as sondagens, garantiu que, se eleito, à esquerda restaria apenas a prisão ou o exílio.
Como ressaltou Amorim, por mais que a tosca verborragia e a bufona teatralidade de Bolsonaro funcionem como cortinas de fumaça para ofuscar seu projeto de subalternidade neocolonialista na economia e na política externa, de crueldade social, de desprezo aos direitos humanos e de negação da ciência, não se pode ignorar que ele também age para ferir de morte valores humanistas, altruístas e racionalistas que estruturam, hoje com muitos limites e retrocessos, a democracia brasileira.
Nos últimos dias, Bolsonaro e seu governo ultrapassaram uma fronteira sensível, em duas dimensões. Na primeira, investiram contra a liberdade de imprensa e de expressão, atacando veículos, jornalistas e, em particular, Glenn Greenwald, que expôs as vísceras de um Sistema de Justiça em processo de putrefação e revelou o agora inquestionável conluio montado, sob a liderança de Sergio Moro e Deltan Dallagnol, determinante para o golpe que depôs Dilma e prendeu Lula, abrindo largo corredor para o "acidente histórico" que levou Bolsonaro à presidência. Na segunda dimensão, especialmente Bolsonaro mas também seu governo ofenderam, com desrespeito e mentiras, a memória da luta pela democracia no Brasil, ao forjar nova versão para a morte de Fernando Santa Cruz, uma das inúmeras vítimas assassinadas, desaparecidas, torturadas, presas ou exiladas pelo terrorismo de Estado vigente durante a ditadura civil-militar no Brasil. Desmentido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, órgão colegiado de Estado vinculado ao governo federal, e pelo Ministério Público Federal, Bolsonaro não se retratou. Ao contrário, já retaliou aquele colegiado, alterando sua composição. Suas atitudes ultrajantes acabaram por ofender a OAB: o atual dirigente nacional da entidade, Felipe Santa Cruz, é filho do patrono do Diretório Central dos Estudantes da UFF, herói da luta pela democracia no Brasil. O STF solicitou a Bolsonaro que esclareça suas declarações farsescas.
É assim, plantando ódio, intolerância e violência, sem respeito à memória e sem compromisso com a verdade histórica, que Bolsonaro faz mais do que pirotecnia de mau gosto. Ele busca destruir a democracia, propagando aqueles elementos, incompatíveis com a experiência democrática, como se fossem valores capazes de lastrear a convivência social.

 

Waldeck Carneiro é professor e deputado estadual (PT)

Please reload

Leia também:
Please reload