Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

  • Agência Brasil

Propina dada em mãos a Pezão


Delatores da construtora Odebrecht afirmam que o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, do PMDB, recebeu pagamentos indevidos e o dinheiro foi entregue pessoalmente e em contas no exterior.

O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin enviou a investigação que envolve o Pezão para o Superior Tribunal de Justiça, que é o órgão responsável por julgar os chefes dos governos estaduais.

Na decisão, o ministro afirma que os executivos da construtora Benedicto Barbosa da Silva Júnior e Leandro Andrade Azevedo relataram pagamento indevido a Pezão pela equipe de Hilberto Silva, também da Odebrecht.

Em nota, o governador Pezão reafirmou que nunca recebeu recursos ilícitos e jamais teve conta no exterior. As doações de campanha foram feitas de acordo com a Justiça Eleitoral.

O ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB-RJ) também foi citado na lista divulgada pelo ministro Fachin. Paes chamou de absurda e mentirosa a acusação de que teria recebido vantagens indevidas por obras relacionadas aos Jogos Olímpicos.

O ex-prefeito também afirmou que nunca teve contas no exterior e que os recursos recebidos em sua campanha de reeleição foram devidamente declarados à Justiça Eleitoral.

Segundo os delatores, o dinheiro saiu do departamento de propinas da Odebretch endereçado à “Nervosinho”, suposto apelido de Eduardo Paes nas planilhas da empreiteira.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

#Pezão #LavaJato

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso