Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

A Globo adere ao Fora Temer


Embalado pela Rede Globo, que tem no grupo JBS, de Joesley Batista, um de seus maiores anunciantes, o grito de "fora Temer" ecoou nesta quinta-feira, 18, tão forte que por pouco não foi acatado no Palácio do Planalto. A renúncia de Michel Temer chegou a ser anunciada no meio da tarde pelo colunista do jornal O Globo Ricardo Noblat. Momentos depois o presidente golpista ocupou uma rede de rádio e televisão para anunciar, para decepção do país, que não renunciaria. Nos bastidores de Brasília se sabe, porém, que a "barriga" de Noblat só não se revelou um "furo" porque o presidente golpista foi demovido na última hora por seus conselheiros sob investigação na Lava Jato - portanto dependentes do foro privilegiado, como Moreira Franco e Eliseu Batista - de jogar a toalha.

O dia de ontem foi dos mais curiosos e tempestuosos. Logo cedo, enquanto o procurador Geral de República, Rodrigo Janot, pedia o afastamento do cargo de senador e a prisão de Aécio Neves, os ratos, em polvorosa, já abandonavam o navio. O primeiro a preparar sua carta de demissão foi o ministro da Cultura, Roberto Freire. Todo o resto da base ameaçou debandar, incluindo PSB, DEM, PSDB etc. A maioria, porém, embora de malas prontas, ainda aguarda a inundação do convés para pular do barco.

O ministro Nélson Facchin afastou Aécio de suas funções como senador, mas rejeitou o pedido de prisão, o que só deverá ser analisar pelo plenário do Supremo Tribunal Federal se Janot recorrer da decisão. Presos mesmos foram a irmã de Aécio, Andréa Neves, e o primo dele, Frederico Pacheco de Medeiros, o Fred, aquele a quem Aécio designou para buscar a propina de R$ 2 milhões de Joesley, o qual eles poderiam "matar antes de delatar", no dizer do senador, gravado por Joesley. Os domicílios de Aécio no Rio, em Belo Horizonte e em Brasília foram vasculhados pela Polícia Federal. À tarde, pressionado pelo alto tucanato, ele deixou a presidência do partido, indicando para o seu lugar Tasso Jereissati, que ontem mesmo foi a Temer para dizer que, se o presidente golpista não tiver como reverter o quadro, não conte com o PSDB.

Mas o próprio Temer no início da tarde se tornou oficialmente investigado por determinação de Facchin. Também foram presos Roberta Funaro, irmã do doleiro Lúcio Funaro, homem de confiança de Eduardo Cunha, e o procurador da República Ãngelo Goulart Vilela, que levava informações sigilosas da Lava Jato para Joesley.

O povo saiu às ruas em todo o país, exigindo a renúncia de Temer e a convocação de eleições diretas imediatas, mas as manifestações no Rio foram violentamente reprimidas pela Polícia Militar.

Tanto Aécio como Temer adotaram a mesma linha de defesa: o dinheiro de Joesley vinha em forma de contribuição pessoal, tanto para Aécio, no caso dos R$ 2 milhões - quanto no caso de Cunha, segundo o presidente golpista. Por pueris, essas versões foram detonadas pela mídia. Afinal, mesmo que conseguisse provar não ter incentivado a mesada de Joesley para calar Eduardo Cunha, como poderia o presidente da República receber em sua residência um empresário e ouvir dele, face-to-face, de viva voz, um corolário de crimes que estaria cometendo sem, na condição de maior autoridade do país, lhe dar voz de prisão?

No final da tarde Janot levantou o sigilo sobre as gravações feitas por Joesley Batista e momentos depois esses áudios, malgrado a baixa qualidade de gravação, estavam sendo transmitidos pelos telejornais da Globo e da Globo News, entre outras emissoras. A Globo manteve Temer andando na prancha.

#ForaTemer #DiretasJá

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso