Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Propina com isenção de IR


Em debate promovido pelas editoras Nitpress e Eduff durante a XVIII Bienal do Livro do Rio de Janeiro, o economista e ex-deputado federal Luiz Alfredo Salomão, autor do livro Corrupção - Como e por quê o seu dinheiro sai pelo ladrão (Nitpress), em parceria com o professor Fernando Guarnieri, revelou um aspecto pouco conhecido das práticas corruptas envolvendo empresas multinacionais no Brasil. Segundo ele, até pouco tempo atrás, países como Alemanha, França e Itália ofereciam desconto no imposto de renda para os gastos com propinas realizados no Brasil.

- Se uma empresa viessa ao Brasil e subornasse um funcionário do governo brasileiro, o gasto com esse suborno poderia ser deduzido do imposto de renda como gasto operacional. Vejam que escândalo: era um incentivo à corrupção ativa - afirmou.

De acordo com Salomão, a prática que favorecia a atuação de suas empresas no exterior teria dificultado a adesão de países europeus ao tratado internacional anti-corrupção do qual o Brasil é signatário. Salomão enfatizou que, graças a essa legislação, investigações como a Lava Jato podem estar sendo realizadas atualmente. - Os europeus resistiram muito a aderir ao acordo anti-corrupção, pois isso dificultaria a ação de suas empresas em países como o Brasil - acrescentou.

No debate que fez com o editor da Eduff, Aníbal Bragança - talvez o único da Bienal em torno do tema da corrupção -, Salomão registrou que nas pesquisas realizadas para o seu livro constatou não ter havido grandes diferenças entre os governos Lula/Dilma e Fernando Henrique Cardoso na intensidade das práticas corruptas. - O Fernando Henrique chegou a diszer numa convenção do PSDB que “nunca antes nesse país se roubou tanto quanto se rouba agora”, e era o governo do PT. Aí nós procuramos mostrar, com o índice da transparência internacional, que os dois governos, incluindo os vários escândalos das privatização das telecomunicações, onde correu muito dinheiro o BNDES - afirmou Salomão.

Essa e outras matérias estão na versão digital completa da edição impressa de setembro do jornal TODA PALAVRA. Leia online.

Debate na Bienal: Anibal Bragança e Luiz Alfredo Salomão (Foto: Luiz Augusto Erthal)

#Propina #Coruupção #LuizAfredoSalonmão #Nitpress #BienaldoLivrodoRiodeJaneiro

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle