Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

5 meses de pandemia: Brasil atrás 'até' do Paraguai


(Governo de São Paulo)

No dia 26 de fevereiro deste ano o Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso de coronavírus no Brasil. Cinco meses depois, o país ainda tem a doença fora de controle.

O cientista político e professor de Relações Internacionais da UERJ, Maurício Santoro, em entrevista à Sputnik Brasil, observou que o país é o segundo país com maior número de mortos por coronavírus e está se aproximando do número de cem mil mortos, considerando que há muita subnotificação. De acordo com ele, o Brasil tem sido um "exemplo muito ruim de resposta à pandemia".

"A resposta brasileira para a Covid-19 é terrível, não só em relação a países ricos, mas também com respeito a outras nações em desenvolvimento, inclusive vizinhos na América Latina, que conseguiram controlar a pandemia de maneira bastante eficiente. Países como a Argentina, Uruguai, Paraguai, que deveriam ser uma referência para o Brasil nessa área", disse.

De acordo com ele, as razões para esse cenário são "as dificuldades brasileiras de realizar medidas efetivas de isolamento social e um negacionismo da gravidade da doença, da gravidade da situação atual, tanto por parte das autoridades brasileiras, quanto muitas vezes por líderes religiosos, líderes empresariais".

"Os países que conseguiram realizar uma contenção bem sucedida do coronavírus foram aqueles em que há unidade na liderança política e um nível elevado de coesão social. E lamentavelmente não é o que nós temos no Brasil atualmente. Quando nós vemos o presidente dizendo uma coisa sobre a pandemia, os governadores e prefeitos dizendo outra, e líderes religiosos e empresariais com suas próprias versões, cada um com uma receita diferente, o resultado é que a população fica muito confusa", argumentou o especialista.

"Nós sabemos o quanto é difícil fazer uma quarentena bem sucedida, o quanto é complicado, o quanto isso exige de sacrifícios individuais, muitas vezes com um impacto econômico enorme na vida das pessoas. Então essa retórica confusa, essa divisão na elite política brasileira agravou muito um quadro de fragilidade social pra quarentena, que já era muito alto, mesmo no início", acrescentou.

Ao comparar a resposta à pandemia da COVID-19 no Brasil com os demais países latino-americanos, Santoro afirmou que a diferença tem sido, principalmente, a "atitude dos presidentes, da cúpula política de cada país, que, de maneira geral, reconheceram a seriedade da pandemia e realizaram medidas efetivas de isolamento social, conclamaram a população a ficar em casa, a se proteger do coronavírus".


Fonte: Agência Sputnik

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle