Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Circo Planalto

Atualizado: Abr 25


Bolsonaro convocou para o pronunciamento todos os ministros, que ficaram imóveis 45 minutos / Carolina Antunes/PR

Por Luiz Augusto Erthal


A relação do ex-chefão da Operação Lava Jato e hoje já também ex-superministro Sérgio Moro com o presidente Jair Bolsonaro terminou como o final de uma ópera bufa, com o palco tomado por atores coadjuvantes em torno de um protagonista ora choroso, ora estridente, que, entre palavrões, desmentidos, negações, confissões familiares e bravatas, tentou responder aos sacolejos acusatórios recebidos no ato anterior.

Pela primeira vez na história de Brasília, que completa este ano seis décadas de existência, a Esplanada dos Ministérios assistiu um ministro da Justiça, em pleno exercício do cargo, desfilar ao vivo para todo o país uma sequência de acusações contra o presidente da República - a maior delas a tentativa de interferência na Polícia Federal para ter acesso direto e interferir nas investigações da instituição, o que configuraria, na opinião da unanimidade dos juristas, crime de responsabilidade.

Exatamente um ministro que fora apresentado, 16 meses antes, como a jóia da coroa de um governo orgulhoso por mostrar a esfinge de Moro como a imagem que gostaria de ver refletida sobre o país. A áurea de probidade, honestidade e patriotismo que os uniu no início do governo se desfez como uma cena burlesca nesta sexta-feira (24) em mentiras e ataques de parte a parte.

Acusado por Moro de falsidade ideológica ao publicar no Diário Oficial a exoneração “a pedido” do diretor geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo, e com a chancela da sua assinatura, sem que ele tivesse concordado com o ato, Bolsonaro devolveu, revelando uma suposta proposta que o ex-juiz teria lhe feito, de concordar com a mudança no comando da PF depois que o presidente indicasse o seu nome para ocupar a vaga a ser aberta em novembro como ministro do Supremo Tribunal Federal. Moro negou logo em seguida pelo Twitter.

Durante quase uma hora, Bolsonaro tentou vender uma imagem cristã, patriota e proba - disse não usar um de seus cartões corporativos e revelou ter mandado desligar a energia da piscina olímpica do Palácio da Alvorada, cujo aquecimento, porém, seria feito por energia solar. Vitimou-se durante todo o pronunciamento, dizendo que Moro não deixou a Polícia Federal investigar o atentado a faca sofrido durante a campanha, citando o episódio do depoimento do porteiro do seu condomínio na Barra da Tijuca e o envolvimento de seu filho - “o número quatro”, como o denominou - com a filha do ex-sargento acusado de envolvimento no homicídio da vereadora Marielle Franco. Usou o verbo “escrotizar” (sic) para definir o fato e revelou que o filho “saiu” com metade das meninas do condomínio.

Ao rebater a principal acusação de Moro, Bolsonaro afirmou nunca ter lhe pedido informações sobre o andamento de qualquer processo da Polícia Federal, “até porque a inteligência com ele perdeu espaço”. No entanto, o próprio Bolsonaro confirmou, como revela matéria do jornalista Vanderlei Borges publicada nesta sexta-feira pelo TODA PALAVRA, que no ano passado, em dois episódios - os casos do “laranjal do PSL” e dos hackers que passaram informações para o The Intercept -, o presidente não só pediu como foi atendido por Sérgio Moro, servindo-lhe informações sigilosas de investigações federais.

O elenco deste último ato foi formado pelos principais ministros de Bolsonaro, que vivenciaram a experiências dos frequentadores da antiga geral do Maracanã, passando exatos 45 minutos de pé, sem sair do lugar, mas também sem o prazer e as emoções do futebol. Até mesmo o recém nomeado ministro da Saúde participou da coreografia, logo atrás do protagonista da peça, enquanto centenas de brasileiros estavam morrendo, vitimados pela pandemia de coronavírus.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, destoava no figurino. Olhando frequentemente para o relógio, era o único - além do ministro da Educação, Abraham Weintraub - em mangas de camisa e, ao contrário de todos os demais, usava uma máscara cirúrgica. Permaneceram todos calados e imóveis. Ao contrário de um tutti, a ópera bufa deste 24 de abril terminou com um solo melancólico e inconvincente no Palácio do Planalto.


Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle