Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Estudo indica tempo do vírus em celulares e cédulas


(Pixabay/Images)

Segundo pesquisa, dependendo do material e da temperatura, o novo coronavírus poderia sobreviver durante menos de 24 horas.

A Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Comunidade das Nações (CSIRO, na sigla em inglês), a agência científica nacional da Austrália, descobriu que o SARS-CoV-2 pode sobreviver em diferentes superfícies por cerca de um mês, tornando a necessidade de medidas como lavagem de mãos e higienização ainda mais importante.

Segundo a pesquisa publicada na revista Virology Journal, o novo coronavírus é capaz de sobreviver por mais tempo em superfícies lisas e em temperaturas frias, apontando cédulas, vidro e aço como os materiais mais adequados para que o vírus sobreviva.

Foi descoberto que em testes de laboratório, que excluem fatores como a iluminação ultravioleta, o coronavírus permanece em partículas transportadas pelo ar por mais de três horas.

A pesquisa vem sendo realizada há mais de um mês, com cientistas analisando e reisolando o vírus para determinar sua taxa de sobrevivência.

Durante a pesquisa, o vírus foi exposto a diferentes temperaturas, permitindo aos cientistas descobrir que a uma temperatura de 40 ºC, o coronavírus sobrevive por menos de 16 horas em algodão e por 24 a 48 horas em vidro, aço, papel e vinil.

Quando os cientistas reduziram a temperatura para 30 ºC, foi revelado que o algodão preserva o vírus por três dias, enquanto cédulas o preservam por 21 dias.

A menos de 20 ºC, foi descoberto que o vírus pode sobreviver em cédulas durante um mês.

"Os dados apresentados neste estudo demonstram que o SARS-CoV-2 infeccioso pode ser recuperado de superfícies não porosas por pelo menos 28 dias a temperatura e umidade ambiente (20 ºC e 50% de UR [umidade relativa]). Aumentar a temperatura mantendo a umidade reduziu drasticamente a capacidade de sobrevivência do vírus para apenas 24 horas a 40 ºC", concluiu o estudo.

A equipe por trás da pesquisa explicou que os resultados podem ajudar os cientistas a descobrir como melhor mitigar a propagação do vírus.

"Estabelecer por quanto tempo o vírus realmente permanece viável nas superfícies nos permite prever e mitigar com mais precisão sua propagação, e fazer um melhor trabalho para proteger nosso povo", disse o dr. Larry Marshall, diretor-executivo da CSIRO.

"Juntos, esperamos que este conjunto de soluções da ciência derrubará as barreiras entre nós e mudará o foco para lidar com concentrações específicas de vírus para que possamos colocar a economia de volta no caminho certo."


Fonte: Agência Sputnik

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle