Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

PGR queria prisão de Witzel e o compara a Cabral e Pezão


Condutas "totalmente incompatíveis com o comportamento exigível de um agente político" e "ânsia criminosa do governador e da organização criminosa por ele liderada". Estes foram os principais argumentos usados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para pedir ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a prisão preventiva do governador Wilson Witzel (PSC). O ministro Benedito Gonçalves, responsável pela condução do caso no STJ, no entanto, autorizou apenas o afastamento do ex-juiz federal por 180 dias do cargo de governador, proibindo Witzel de manter qualquer tipo de contato com os investigados e de ingressar nas dependências do governo do Rio.

"Atitudes totalmente incompatíveis com o comportamento exigível de um agente político no exercício de um cargo de tamanha relevância em nossa democracia, principalmente em situações de extremo sofrimento para a sociedade como a pandemia da Covid-19", escreveu a PGR, chamando atenção para as circunstâncias em que ele participou do esquema de corrupção no governo: "Nem mesmo o caos social gerado pelo referido vírus foi suficiente para fazer cessar a ânsia criminosa do governador e da organização criminosa por ele liderada".

De acordo com os procuradores, Witzel montou uma organização criminosa no governo do Rio semelhante ao esquema de corrupção dos seus antecessores Sergio Cabral e Luiz Fernando Pezão, que também foram alvos de prisão pela Lava-Jato.

O ministro, entretanto, argumentou que o afastamento do governador seria suficiente para interromper a atividade criminosa, por isso não autorizou a prisão. "Observo que é razoável apenas o afastamento cautelar do exercício da função pública (...), em detrimento da prisão preventiva, pois, em relação a ele, as supostas atividades de corrupção e lavagem de dinheiro por meio de pagamentos ao escritório de advocacia da primeira-dama devem cessar com o alheamento do exercício da função de chefe máximo do Poder Executivo estadual", escreveu Benito Gonçalves.

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle