Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Queimadas fazem avião de Bolsonaro arremeter


Voo da comitiva presidencial teve de arremeter porque "a visibilidade não estava muito boa" (Divulgação)

Um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro afirmar, em evento na Paraíba, que "o país está de parabéns", ao se referir à preservação do meio ambiente, o avião em que ele viajava não conseguiu aterrissar na primeira manobra e teve de arremeter ao chegar a Sinop, em Mato Grosso, por causa dos efeitos das queimadas na região. O Pantanal enfrenta uma onda recorde incêndios, e a fumaça das queimadas já chegou até outras regiões do país. Conforme a agenda oficial, Bolsonaro foi à região para receber homenagens de ruralistas, como a participação no "ato de homenagem do Agronegócio ao Presidente da República", no município de Sinop.

“O Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente. E alguns não entendem como é o país que mais sofre ataques vindo de fora no tocante ao seu meio ambiente. O Brasil está de parabéns da maneira como preserva esse seu meio ambiente”, declarou Bolsonaro na quinta-feira.

Nesta sexta (18), Bolsonaro sentiu na pele os efeitos das queimadas, mas narrou assim o incidente que obrigou o avião com a comitiva presidencial arremeter: "Hoje quando o avião foi aterrissar, ele arremeteu. Foi a 2ª vez na minha vida que acontece isso, uma vez foi no Rio de Janeiro, e, obviamente, algo anormal está acontecendo, no caso é que a visibilidade não estava muito boa", disse o presidente, sem reconhecer o motivo da arremetida.

Apesar da manobra, a aterrissagem da comitiva, que levava ainda os ministros da Defesa, Augusto Heleno; da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e o chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ocorreu normalmente na segunda tentativa.

A manobra de arremetimento ocorre quando o piloto decide subir novamente com o avião quando a aeronave já está em operação de pouso, em direção ao solo.

Política ambiental

Em discurso para representantes do agronegócio no estado, Bolsonaro atribuiu as críticas ao desmatamento e condescendência do governo com os grandes desmatadores a interesses de "nossos concorrentes". "Temos sofrido uma crítica muito grande. Porque obviamente quanto mais nos atacarem, mais interessa aos nossos concorrentes, para o que temos de melhor, que é o nosso agronegócio", disse.

Oito países europeus, responsáveis por comprar quase 10% de tudo o que o agronegócio brasileiro produz, enviaram uma carta ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em que dizem que o aumento do desmatamento dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente.

Recorde de queimadas

Embora o presidente Bolsonaro dê parabéns, o número de focos de incêndio neste mês (16 dias) no Panatanal está 188% acima da média histórica do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para setembro, que é de 1.944 pontos de incêndio. Nestes 16 dias, o Pantanal já apresenta uma alta de 94% em comparação a todo o setembro de 2019, em focos de incêndio. É o setembro com mais focos de incêndio desde o início da série histórica do Inpe, em 1998: foram 5.603 em apenas 16 dias deste mês, contra 5.498 registrados no mês inteiro de setembro em 2007, até então o recorde para o mês até este ano.

O boi e a boiada

Diante da catástrofe, Bolsonaro voltou a minimizar a quantidade gigantesca de incêndios que destroem Pantanal e ainda falseou dados de 2019. "Ano passado, quase não pegou fogo, sobrou uma massa enorme de vegetais bons para isso que está acontecendo agora", disse ele, que também voltou a culpar indígenas pelos incêndios. "O índio taca fogo, o caboclo, tem a geração espontânea".

Na reunião ministerial em 22 de abril, o ministro do Meio Ambiente sugeriu que o governo deveria aproveitar a atenção da imprensa voltada à pandemia de Covid-19 para aprovar "reformas infralegais de desregulamentação e simplificação" na área do meio ambiente e "ir passando a boiada".

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle