Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Exportações da vacina russa pode começar em março

Atualizado: Ago 22


No início de agosto, a Rússia se tornou o primeiro país do mundo a registrar uma vacina contra Covid-19, batizada de Sputnik V. A vacina foi desenvolvida pelo Instituto Gamaleya e atualmente está passando pela terceira fase dos testes. O ministro da Indústria e do Comércio da Rússia, Denis Manturov, afirmou nesta sexta-feira que a vacina produzida no país poderá ser exportada a partir de março de 2021.

"Com toda certeza, provavelmente será na primavera [a partir de março no hemisfério Norte] do próximo ano, se falamos de exportação. Será quando já alcançaremos um volume suficiente de produção em nosso país", disse Manturov a jornalistas numa coletiva de imprensa em Moscou.

De acordo com Manturov, as exportações terão início depois do volume de produção de vacinas na Rússia aumentar e depois que os institutos russos, em particular o Instituto Gamaleya, interagirem com seus colegas estrangeiros.

“É preciso passar por um ciclo de aprovações para tomar uma decisão. Alguns estão prontos para comprar hoje, mas nós não estamos prontos, porque precisamos cumprir nossos próprios objetivos”, acrescentou o ministro.

Confiança na Sputnik V

A vacina russa usa dois tipos de adenovírus de humanos com fragmentos do gene do coronavírus em sua composição. Os adenovírus são um grupo de vírus que geralmente causam doenças respiratórias. Eles funcionam como vetores do RNA mensageiro do SARS-CoV-2, estimulando uma resposta imune no organismo dos indivíduos.

Embora alguns países ocidentais tenham expressado reservas sobre a segurança da vacina, já que a terceira fase dos testes clínicos ainda não foi concluída, diversos representantes da comunidade médica ao redor do mundo receberam a notícia de forma positiva e manifestaram confiança no medicamento.


A vacina Sputnik V, primeira registrada no mundo contra a Covid-19 ((Agência Sputnik)

Israel

Segundo Polina Stepensky, chefe do departamento de transplante de medula óssea do hospital Hadassah, em Israel, a tecnologia utilizada na fabricação do medicamento russo é amplamente reconhecida.

"Em primeiro lugar, devemos dizer 'Bravo!' aos cientistas e médicos russos. Entendemos perfeitamente e aprovamos essa tecnologia e essa abordagem científica. Vocês realizaram uma verdadeira ruptura na ciência e na medicina. Estamos agradecidos pelo seu trabalho maravilhoso", disse e médica à agência RIA Novosti.

Nesta sexta-feira (21), o Ministério da Saúde de Israel confirmou ao The Jerusalem Post que negociações estão em curso para realização de testes de terceira fase da vacina russa no país.

China e Índia

A Sputnik V também despertou o interesse de especialistas chineses. Um release publicado pela embaixada da Rússia na China citou a declaração de Zhong Nanshan, diretor do Instituto de Doenças Respiratórias de Guangzhou, que felicitou os cientistas russos pelo trabalho.

"Minha avaliação da vacina contra Covid-19, desenvolvida pelo Centro Gamaleya, é de alto nível. Gostaria de parabenizar o seu país pela conclusão do registro estatal do medicamento. A vacina russa baseada no adenovírus é segura e deve completar com sucesso os testes clínicos", disse o médico, citado pela agência RIA Novosti.

O governo da Índia, um dos países mais afetados pelo coronavírus, também está de olho na Sputnik V. O medicamento passa por estudos, juntamente com outras três vacinas desenvolvidas por cientistas indianos. Sputnik Internacional conversou sobre o assunto com Ashwani Mahajan, co-fundador do Centro de Pesquisas de Swadesh.

"Assim que a questão da eficácia for resolvida, o custo será uma questão importante. Eu acredito que, em ambos os quesitos, a vacina russa deve passar no teste", disse o pesquisador.

EUA e Grã Bretanha

Como demonstra a prática, nem todas as vozes no Ocidente são críticas em avaliar o trabalho dos cientistas russos. Segundo Hildegund Ertl, professora titular do Instituto Wistar na Filadélfia, centro norte-americano especializado em doenças infecciosas e pesquisa de vacinas, o medicamento russo é promissor.

"Pelo que tenho visto por aí, eles são provavelmente a plataforma [de pesquisa] mais promissora", disse a cientista para o site Politico.

O especialista britânico, Ian Jones, professor de virologia da Universidade de Reading, em entrevista ao Business Day, também defendeu a tecnologia usada na elaboração da Sputnik V.

"Existem dados gerais suficientes sobre vacinas baseadas em adenovírus recombinantes para assumir que a vacina será segura nas doses usuais", concluiu.


Com Sputnik

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle