Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

  • Da Redação

Salles não usa verbas destinadas ao meio ambiente

Uma nota técnica do Observatório do Clima denuncia que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, utilizou somente 0,4% dos recursos destinados à implementação de programas de preservação e de políticas públicas ambientais. Dos R$ 26,6 milhões autorizados pelo governo, Salles só executou R$ 105 mil, de janeiro a agosto deste ano.


Ministro Ricardo Salles. José Cruz / Agência Brasil

Os cálculos dos valores da execução do orçamento se basearam no comparativo do total de recursos autorizados pelo governo e os valores liquidados.


O Observatório do Clima não considerou os orçamentos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) nem do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgãos do MMA que têm dotações orçamentárias próprias e autonomia na gestão dos gastos. Salários, aluguéis de imóveis e outras despesas de custeio também não foram incluídos, já que são despesas inerentes à pasta, que não dependem da interferência de Salles.


O documento afirma que o governo autorizou o ministro a gastar R$ 1,38 milhão na chamada ação orçamentária “21A8”, para ações de proteção, conservação e uso sustentável da biodiversidade. Até o dia 31 de agosto, ele havia usado menos de 3,6% do total: R$ 50,2 mil.


Em outra ação orçamentária, a “20G4”, Salles não gastou um centavo sequer dos R$ 6,2 milhões para a produção de estudos sobre mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Simplesmente não empreendeu qualquer plano. Também não tocou na verba de 3 milhões da ação "20N1", para projetos de desenvolvimento sustentável e conservação do meio ambiente.


Um relatório elaborado pela Controladoria Geral da União (CGU) mostrou que após uma auditoria para verificar a baixa execução orçamentária do MMA, não houve o cumprimento das regras de planejamento estratégico. A pasta executou só 13% do orçamento em ações de combate às mudanças climáticas, e 14% na conservação e uso sustentável da biodiversidade.


A nota do Observatório do Clima afirma que o governo teria adotado a “não política ambiental” como método. E responsabiliza Salles e Bolsonaro, diretamente, pela baixa aplicação dos recursos.


Segundo o documento, os dados mostram que o governo atua intencionalmente para paralisar a agenda ambiental. Paralelamente, o ministro sempre usa como desculpa a falta de recursos.


“No início do governo Bolsonaro, chegou-se a propor a extinção do MMA. Pelos resultados da execução orçamentária do MMA […] não se está longe disso, infelizmente. As políticas públicas diretamente a cargo do órgão estão sendo paralisadas”, diz a nota.


*Com informações do Observatório do Clima.

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle