Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Uma onda ainda mais forte da Covid com a reabertura


Mesmo antes de o país chegar ao pico de transmissão do novo coronavírus, políticos brasileiros já tentam reabrir alguns setores da economia, gerando preocupação entre médicos com uma nova onda da COVID-19, ainda mais forte do que a primeira.

Com mais de meio milhão de pessoas contaminadas e mais de 30 mil mortes até esta terça-feira (2), o Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia da COVID-19 em todo o mundo, mas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda não chegou ao pico da transmissão.

​De acordo com um levantamento feito pelo G1, o país levou cerca de dois meses para chegar até a marca de 15 mil mortes, mas essa quantidade dobrou em apenas duas semanas.

Estudos divulgados em maio davam conta de que o Brasil chegaria ao pico do surto do novo coronavírus na primeira semana deste mês, justamente quando alguns prefeitos e governadores já anunciam o início da retomada das atividades econômicas, como no Rio de Janeiro. Mas, mesmo antes de chegar a esse pico, especialistas já apontam para os riscos de uma possível segunda onda de transmissões no país.

"Esse pico contínuo, ou uma segunda onda, é um risco que a gente corre. Nós nunca tivemos uma boa adesão às medidas de mitigação, de isolamento horizontal, que são preconizadas para a gente conseguir bloquear a doença", explica em entrevista à Sputnik Brasil Alexandre Telles, presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro.

De acordo com o especialista, a capital fluminense, por exemplo, ainda tem um quadro de transmissão sustentada da COVID-19, com incidência alta e falta de leitos nas unidades hospitalares. E a reabertura das atividades em um cenário como esse pode favorecer a infecção de mais pessoas.

"A gente não sabe se as pessoas infectadas podem se reinfectar e temos a possibilidade de pessoas que não tinham o contato com o vírus passarem a ter o contato e se infectarem, desenvolverem quadros graves. Quando a gente faz essa abertura de uma maneira descontrolada, sem a gente ter conseguido bloquear a transmissão, a gente corre, infelizmente, esse risco de ter uma segunda onda, uma terceira onda..."

​Para o médico, que atua no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, referência no combate ao novo coronavírus no Rio, o Brasil não conseguiu "fazer bem o dever de casa do isolamento porque não garantiu medidas de proteção social para as famílias" e "medidas de preservação dos trabalhos". E isso levou a "uma situação absurda", de continuar a ter mais pessoas infectadas à medida que se reabre a economia e ainda com dificuldades de se fazer planejamentos mais precisos pela falta de testes.

Telles acredita que com um "retorno precipitado" às atividades, que é o que parece estar acontecendo no Brasil, há a possibilidade de se provocar uma "nova onda de transmissão, inclusive pior do que a primeira".

"É uma situação muito ruim porque a gente vê o setor econômico pressionando e a gente vê o governo federal, do estado e do município querendo reabrir a qualquer custo, entretanto, sem adotar medidas, como outros países adotaram, para resguardar empregos, resguardar as próprias empresas."

O especialista avalia que as reaberturas ou tentativas de reaberturas que vêm ocorrendo ou sendo discutidas no Brasil levam em conta apenas o fator econômico, sem nenhum respaldo científico. Pior, ele sublinha, é fazer isso com os hospitais lotados, dificuldades para recrutar mais profissionais de saúde e níveis de equipamentos e remédios abaixo do necessário para atender à parcela da população já afetada pela pandemia.

"E essa é uma situação revoltante e que, do ponto de vista da saúde pública, do ponto de vista coletivo, enfim, de solidariedade, não faz nenhum sentido no momento."


Fonte: Agência Sputnik

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle