Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

  • Da Redação

EXCLUSIVO: velejadores resgatam casal em barco à deriva no Maranhão

Atualizado: Abr 28

Por Mehane Albuquerque

O Galápagos e o mastro quebrado. Foto: César Mello

No dia 4 de abril, o veleiro Galápagos, um Delta de 36 pés tripulado por um casal, saiu de Guadalupe, no Caribe, com destino ao Brasil. É uma rota difícil, com ventos e correntes fortes. Tudo ia bem até que, no dia 15 de abril, eles quebraram o mastro quando estavam próximos da costa da Guiana francesa, quase chegando em águas brasileiras. Sem combustível para continuar o trajeto a motor, tentaram improvisar com o pedaço de mastro quebrado e o pau de spinnaker, e conseguiram chegar próximos a São Luís, no Maranhão. O conserto, porém, não resistiu e eles ficaram à deriva. Com a solidariedade de outros velejadores de diferentes pontos do país e em meio à pandemia do novo coronavírus, um arrojado esquema de resgate foi montado em tempo hábil pelo Whatsapp. Hoje (27/4), os tripulantes Leo e Bárbara chegaram a salvo em São Luís, a bordo do Galápagos escoltado pelos voluntários. O velejador e comandante de barcos de oceano Hans Hutzler, que de Pernambuco integrou o grupo de ajuda remota, conta que vários velejadores brasileiros vinham monitorando o Galápagos pelo rastreador Spot, mas não havia comunicação entre a tripulação da embarcação e pessoas em terra. Eles desconfiavam que havia algo errado, pois notaram que o veleiro mudou de rumo e parecia estar horas à deriva.

Chegada do resgate. Foto: César Mello

"No dia 20, eles transmitiram uma mensagem pré-programada do Spot dizendo que havia um problema a bordo, mas não disseram o que era. A partir daí, foi criado um grupo por aplicativo com velejadores de vários lugares do Brasil, incluindo os pais do dono do barco, e começamos a coordenar um resgate", diz Hans.


Em dois dias, os velejadores voluntários conseguiram equipamentos de comunicação por satélite e um navegador experiente disposto a comandar a operação, o Capitão Amador César Mello. Mas eles estavam em Belém, no Pará. Com a ajuda do piloto Tony Saraiva, que emprestou um avião, fizeram o transporte aéreo do equipamento e do comandante até São Luís. Na capital maranhense, conseguiram apoio do dono do barco Larabela — um catamarã Praia 47 cuja tripulação também estava disposta a ajudar — além de combustível e alimentação.

Capitão e tripulação do Larabela. Foto: César Mello

"Fizemos contato com os tripulantes do Galápagos às 14h50m de sábado (25/4). Felizmente, o mar estava calmo e localizamos o veleiro a 280 milhas ao Norte de São Luís. Soubemos através do Leo, que eles estavam velejando no segundo rizo, com ventos de 20 nós, quando um dos estais de força soltou", conta Hans. O resgate partiu de São Luís e interceptou o barco à deriva a 260 milhas ao Norte. Hans e os outros velejadores do grupo, de forma remota, acompanharam a posição das duas embarcações, definindo um provável ponto de encontro entre elas e direcionando o Larabela através de mensagens de texto via comunicação por satélite. Quando foram abordados, os tripulantes do Galápagos estavam bem, embora cansados. Receberam combustível e alimentos e seguiram rumo à terra, escoltados pelo Larabela.

Desembarque em São Luís. Foto: César Mello

"Foi uma operação bem sucedida, mas não teria sido possível sem a solidariedade de todos que se mobilizaram prontamente para ajudar. O Delcio, em Belém, emprestou os equipamentos de comunicação; o capitão César Mello, aceitou o desafio de comandar o barco de resgate; o Tony Saraiva emprestou o avião; o André e o Sérgio, em São Luís, conseguiram o catamarã e a tripulação; e o Torpedinho, velejador de Recife, criou o grupo no Whatsapp que organizou tudo isso. Estamos no meio de uma pandemia e os voluntários deixaram o isolamento e suas famílias para dar apoio ao casal no mar. Missão cumprida!", comemora Hutzler.


Leo e Bárbara / Reprodução

Depois do desembarque, Leo e Bárbara contaram em vídeo que se mantiveram sempre calmos e não chegaram a passar privação de água ou comida, mas ficaram emocionados e aliviados quando a ajuda chegou.


"Agradecemos, de coração, a todos que se mobilizaram para nos tirar daquela situação. Ainda não sabemos quem são essas pessoas, pois acabamos de desembarcar, mas queremos conhecer e agradecer a cada uma delas", afirmou ele.


Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle