Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

  • Da Redação

Zerar emissões até 2050 pode custar US$ 2 tri anuais

Atualizado: Set 28

A meta de zerar as emissões globais de gases do efeito estufa até 2050, para limitar o aquecimento do planeta em 1,5ºC neste século, é imprescindível e ambiciosa. Mas poderia ser alcançada com investimentos da ordem de 1 a 2 trilhões de dólares por ano — algo em torno de 1 a 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) global — conforme aponta um relatório da Comissão de Transições Energéticas (ETC) divulgado este mês.

Thomas Hobbs / OMS

A ETC é uma coalizão global de 40 produtores de energia, empresas industriais e instituições financeiras — ArcelorMittal, HSBC, BP, Shell, Orsted e Bank of America, entre elas — comprometidos a criar uma economia livre de carbono até 2050. Quando isso ocorrer, a redução dos padrões de vida de países desenvolvidos e em desenvolvimento em 2050 representará menos de 0,5 do PIB global, afirma o relatório.


O aquecimento global tem custado aos Estados Unidos e à União Europeia, desde 2000, cerca de US$ 4 trilhões de perdas na produção. Os países tropicais estão 5% mais pobres do que estariam sem os impactos da mudança climática, de acordo com pesquisas da Universidade de Stanford.


De acordo com o documento, os investimentos adicionais exigidos “são facilmente pagáveis, dadas as poupanças e investimentos globais atuais, particularmente no contexto macroeconômico prevalecente de taxas de juros baixas contínuas”.


A ECT destaca que "é preciso agir agora e na próxima década, ou será tarde demais".


“Não há dúvida de que é técnica e economicamente possível chegar à economia de carbono zero que precisamos até 2050. E zero precisa significar zero, não um plano que depende do uso de ‘compensações’ permanentes e de larga escala para equilibrar as emissões constantes”, disse o copresidente da ETC, Adair Turner.


Mas o que será preciso fazer, segundo o relatório, para reduzir dramaticamente as emissões e frear o aquecimento?


Entre as medidas mais urgentes, a ECT destaca investimentos em melhoria de eficiência energética. O suprimento global de eletricidade, por exemplo, terá que crescer 4 ou 5 vezes para chegar entre 90.000 e 115.000 terawatt-horas. O ritmo anual da geração eólica e solar precisará ter de cinco a seis vezes o aumento obtido em 2019.


Já os setores de construção, transporte e indústria precisarão ser eletrificados. O hidrogênio poderá ser usado como combustível opcional em vários casos. Qualquer uso residual de energia deverá ser descarbonizado por meio da captura, do armazenamento de carbono e da bioenergia sustentável.


*Com informações da Revista Forbes.

Os anunciantes pagam ao jornal por cada clique dos leitores. Clicando em nossos anúncios você ajuda a manter o TODA PALAVRA sem pagar nada por isso

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle