África: vacinas atuais evitam doença grave com ômicron


(NIAID)

Cientistas sul-africanos concluíram que as vacinas existentes contra a covid-19 evitam a doença grave com a variante ômicron do SARS-CoV-2. Avanços preliminares de um estudo indicam que o teste de PCR permite perceber se o contágio é com a nova mutação, sem ter que segmentar o genoma.

A Rede de Vigilância do Genoma da África do Sul (NGS-SA) apresentou os estudos sobre a Ômicron à Comissão de Saúde do Parlamento.

Apesar de ainda necessitarem de tempo para ajustar os dados, sobre o que já consideram o início da quarta onda da pandemia, garantem que estão concentrados na transmissibilidade e no efeito da imunidade que as vacinas proporcionam.

“A genética da Ômicron é completamente diferente da variante Delta ou das variantes anteriores”, afirmou Richard Lessels, especialista em doenças infectocontagiosas.

Os cientistas ainda não sabem se o período da incubação se mantém numa média de cinco dias. No entanto, Lessels garante que “as vacinas são a ferramenta que pode evitar a doença grave e a hospitalização”.

“Estamos preocupados não tanto com o número de mutações, mas onde elas estão concentradas, porque muitas delas o fazem no pico da proteína e, especificamente, em partes-chave que são importantes para ter acesso às nossas células. Não sabemos se os anticorpos são capazes de lidar com elas”, acrescentou.

O especialista destacou que, “embora a maioria dos casos positivos com a nova variante tenha sintomas ligeiros, é muito cedo para dizer o nível de periculosidade da Ômicron, porque foi detectada muito recentemente. Não sabemos se vamos ver casos mais graves”.

A variante já está presente em todas as províncias da África do Sul. A dúvida dos especialistas é se ela vai substituir a Delta “que se propagava a níveis muito baixos”. Lessels afirma que o teste PCR é capaz de detectar a nova variante sem a necessidade de sequenciar o genoma.

“Se um dos três sinais ou alvos do PCR é negativo e os outros dois positivos, então o teste continua positivo, mas algo diferente é observado. Não é possível detectar o gene Skipe. E foi o que aconteceu no laboratório Lancet, em Gauteng [província no norte da África do Sul], onde descobriram que alguns casos positivos tinham esta marca: o nocaute do gene, o que não acontece com a variante Delta. Por isso, com o PCR podemos acompanhar o rastreamento da Ômicron em tempo real, não é necessário ter a sequência genética completa, o que costuma demorar duas semanas em laboratório”, explicou.

O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas da África do Sul confirmou, em novembro, que de 249 sequências localizadas, 183 eram da Ômicron. A imunidade pós-covid-19, cuja duração é desconhecida, não oferece proteção contra a nova variante.

A província de Gauteng (a mais populosa do país e que inclui as cidades de Pretória e Joanesburgo) continua a ser a que apresenta mais casos positivos diários, seguindo-se KuaZulu-Natal e Cabo Ocidental.

Oito dos 15 milhões dos habitantes de Gauteng não foram vacinados, e a taxa de transmissibilidade passou de um para 2,3.

“É claro que os jovens não vacinados são uma grande preocupação. Continuamos a enviar a mensagem de que ser vacinado é importante porque as pessoas imunizadas estão apresentando sintomas mais leves”, afirmou David Makhura, primeiro-ministro de Gauteng.

A Ômicron foi detectada em mais de 20 países, mas a África do Sul e Botsuana continuam a ser responsáveis por 62% dos novos casos identificados no mundo.

Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac

Em entrevista à Reuters, o CEO da BioNTech, laboratório responsável pela vacina Pfizer, Ugur Sahin, declarou nesta sexta-feira que o imunizante que o imunizante continua a impedir o desenvolvimento da versão grave de covid.

Além disso, Sahin destacou a importância da terceira dose e que ela conferirá uma camada de proteção contra infecções da Ômicron.

“Para mim, não há motivo para preocupação especial. A única coisa que me preocupa no momento é o fato de que há pessoas que não foram vacinadas”, disse Sahin, que também afirmou que o surgimento de novas variantes não devem ser motivos de pânicos, pois, o laboratório segue em testes constantes com o imunizante para, sempre que necessário, adaptá-lo, como fizeram com o surgimento da variante Delta.

Porém, afirma que por enquanto os estudos clínicos não indicam a necessidade de uma atualização da vacinada Pfizer para lidar com a nova variante.

Os resultados finais do estudo devem ficar prontos daqui 15 dias.

O Instituto Butantan, responsável pela produção da CoronaVac (da farmacêutica chinesa Sinovac) no Brasil, também garante que o imunizante favorece proteção contra ômicron. Segundo a vice-diretora do Instituto, Maria Carolina Sabbaga, a CoronaVac está entre os imunizantes com melhores chances de proteger as pessoas contra a variante.

A Universidade de Oxford, responsável pelo desenvolvimento da vacina AstraZeneca, declarou que “não há evidências de que as vacinas não possam prevenir casos graves de covid-19 causados pela ômicron”.

Em comum, todos os laboratórios afirmam que estão prontos para atualizar os seus respectivos imunizantes caso seja necessário e que tal alteração levaria, no máximo, 6 semanas.

Ganhe_Ate_300x250px.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
Aumentou_728x90px.gif