Lago e Montanhas

Lago e Montanhas

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Cabanas na Praia

Cabanas na Praia

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Roda Gigante

Roda Gigante

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Palmeiras

Palmeiras

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Pela Cidade de Bicicleta

Pela Cidade de Bicicleta

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Karoon só tinha US$ 345 milhões

April 11, 2017

 

A Pe­tro­bras anun­ci­ou em nota que re­to­ma­rá em du­as se­ma­nas a ven­da de ati­vos da com­pa­nhia como par­te do plano de ca­pi­ta­li­za­ção da atual administração en­vol­ven­do de­sin­ves­ti­men­tos que to­ta­li­zam US$ 21 bi­lhões. Entre os patrimônios que voltam ao balcão de negócios estão os campos de Baúna e Tartaruga, situados respectivamente nas bacias de Santos e de Campos, cujas vendas foram impedidas por decisão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, confirmada pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federação, em ação movida pelo Sindipetro Sergipe e Alagoas.

 

A decisão judicial se baseou nos argumentos dos petroleiros de que a venda fora feita sem licitação, mas o jornal TODA PALAVRA denunciou com exclusividade na quarta-feira que a transação ocultava uma fraude - talvez a maior envolvendo a Petrobras no governo Temer - omitida pela companhia. Os campos estavam sendo vendidos por US$ 1,6 bilhões para a petroleira australiana Karoon Gas Australia Limited, cujo capital social não passa dos US$ 450 milhões, ou seja, menos de um terço do valor do negócio. A própria companhia havia anunciado em 2015 que sua disponibilidade de investimentos no Brasil até 2018 estava limitada a US$ 345 milhões. Como documentou a matéria do TODA PALAVRA, a Petrobras tinha conhecimento desse fato desde outubro do ano passado, mas preferiu omiti-lo de seus acionistas e do próprio mercado, insistindo - inclusive interpondo recursos judiciais à ação movida pelos petroleiros de Sergipe e Alagoas - para tentar salvar o negócio, que, afinal, foi sepultado temporariamente pela decisão do STF.

 

Mesmo sem poder oferecer garantias de possuir os recursos necessários para integralizar o capital necessário para a transação, a Karoon certamente contava com a alta lucratividade dos campos de petróleo em jogo para pagar à Petrobras pelos ativos. Só o campo de Baúna, que em agosto do ano passado produzida 47 mil barris/dia (2% da produção brasileira de petróleo e 5% das extrações na Bacia de Santos), daria à companhia australiana um retorno do investimento em menos de dois anos. Isso com base no preço alcançado ontem pelo brent no mercado - US$ 55,27 -, o que permite prever um faturamento de US$ 1,87 bilhões em 24 meses.

 

A proposta feita à Petrobras para aquisição dos campos de Baúna, Golfinho e Tartaruga Verde pode ser encarada como uma ousadia para uma companhia petrolífera que, até dois anos atrás, não havia extraído um litro de petróleo sequer. A Karoon iniciou suas atividades em 2003 e, além da Austrália, tem interesses comerciais no Peru e no Brasil, onde mantém inclusive um site em português (http://www.karoon.com.br). Em setembro de 2015 os planos da empresa eram de investir no Brasil US$ 345 milhões, segundo declarou na época o diretor-geral da companhia na América do Sul, Tim Hosking, em entrevista ao jornal Valor Econômico (facsímile acima). A própria matéria registra que o capital social da Karoon estava limitado a US$ 450 milhões.

 

Na ocasião da entrevista de Hosking ao Valor Econômico a Karoon havia acabado de contratar o ex-diretor de Exploração e Produção da Petrobras, José Formigli para atuar como consultor de desenvolvimento. Surpreendentemente, a empresa lançou-se em um negócio de mais de US$ 1,6 bilhões apenas dois anos depois de anunciar que só dispunha de US$ 345 milhões para investir no Brasil. Na proposta feita à Petrobras em 26 de setembro do ano passado (leia o documento original em inglês e a tradução juramentada em português), a Karoon declarou que estava associada à maior petroleira australiana, a Woodside Petroleum Ltd, que, no entanto, desmentiu essa informação, primeiro em videoconferência com dirigentes da estatal brasileira; depois em carta dirigida à Petrobras (leia o documento original em inglês e a tradução juramentada em português). Mesmo de posse dessas informações, porém, a Petrobras insistiu o quanto pode na manutenção do negócio, só desistindo depois da manifestação da ministra Cármen Lúcia.

 

Balcão de vendas

 

Se­gun­do no­ta divulgada semana passada pela Petrobras, a com­pa­nhia es­tá agora to­man­do to­das as me­di­das in­ter­nas ne­ces­sá­ri­as pa­ra apro­va­ção de sua no­va car­tei­ra de de­sin­ves­ti­men­tos em até du­as se­ma­nas, o que significa, entre outras coisas, recolocar os campos de Baúna e Tartaruga Verde à venda. “Des­de o iní­cio, ela se­gui­rá to­dos os pro­ce­di­men­tos pre­vis­tos pe­la no­va sis­te­má­ti­ca de de­sin­ves­ti­men­tos, em cum­pri­men­to à de­ci­são do Tri­bu­nal de Con­tas da União”, que ha­via de­ter­mi­na­do a sus­pen­são do processo. A Pe­tro­bras in­for­mou, ain­da, que a sua di­re­to­ria exe­cu­ti­va apro­vou no dia 30 de março o en­cer­ra­men­to dos pro­je­tos em an­da­men­to, cu­jos con­tra­tos de com­pra e ven­da ain­da não fo­ram as­si­na­dos. Se­rá ini­ci­a­da a cons­tru­ção da no­va car­tei­ra.

Já os pro­je­tos cu­jos con­tra­tos de com­pra e ven­da já fo­ram as­si­na­dos “po­de­rão pros­se­guir pa­ra con­clu­são”, diz a no­ta. Ela re­a­fir­ma, ain­da, a meta de de­sin­ves­ti­men­tos de US$ 21 bi­lhões pa­ra o bi­ê­nio 2017-2018. Pa­ra is­to, a no­va car­tei­ra pre­vê a ven­da da ses­são dos di­rei­tos de con­ces­são em águas ra­sas nos es­ta­dos de Ser­gi­pe e Ce­a­rá; ali­e­na­ção de par­te da par­ti­ci­pa­ção aci­o­ná­ria da BR Dis­tri­bui­do­ra; dos di­rei­tos de con­ces­são nos cam­pos de Ba­ú­na e Tar­ta­ru­ga Ver­de; e a ven­da da par­ti­ci­pa­ção no Cam­po de Saint Ma­lo, no Gol­fo do Mé­xi­co.

Please reload

Lago e Montanhas

Lago e Montanhas

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Cabanas na Praia

Cabanas na Praia

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Roda Gigante

Roda Gigante

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Palmeiras

Palmeiras

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Pela Cidade de Bicicleta

Pela Cidade de Bicicleta

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Leia também:
Please reload

Lago e Montanhas

Lago e Montanhas

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Cabanas na Praia

Cabanas na Praia

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Roda Gigante

Roda Gigante

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Palmeiras

Palmeiras

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Pela Cidade de Bicicleta

Pela Cidade de Bicicleta

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle