Protestos em todo país


Ato contra as reformas da Previdência e trabalhista na Av Paulista . Foto: Paulo Pinto/AGPT/FotosPúblicas

A sexta-feira (30) de greve geral, convocada por centrais sindicais e movimentos sociais, foi marcada por manifestações em várias cidades brasileiras.

Os protestos contra as reformas trabalhista e da Previdência foram registrados em capitais como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, entre outras.

Na capital federal, o transporte público parou. Ônibus e metrô não funcionaram mesmo com decisão da justiça de manter 30% da frota em circulação.

Os bancos também não abriram as portas nesta sexta-feira (30).

O trânsito foi interditado na Esplanada dos Ministérios.

Policiais militares montaram cordões de revista nos acessos de pedestres à área. Cerca de 3 mil homens reforçaram a segurança durante todo o dia de manifestação.

Em São Paulo, os protestos se concentraram na Avenida Paulista, mas também ocorreram no Aeroporto de Congonhas. O movimento de embarque e desembarque seguiu normalmente.

Pela manhã houve bloqueio de vias como Avenida Washington Luís e de pontos da Rodovia Régis Bittencourt.

Segundo a Central Única dos Trabalhadores, bancários, professores, petroleiros e profissionais da saúde participaram da greve.

No Rio de Janeiro, a cidade ficou em estágio de atenção devido a retenções e bloqueios no trânsito.

Os principais pontos de mobilização foram na região central, em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual e também na Avenida Brasil, que chegou a ser interditada pela manhã.

As agências bancárias da Caixa Econômica e do Banco do Brasil ficaram fechadas.

Em Aracaju, Sergipe, 40 categorias aderiram à greve geral, segundo centrais sindicais. Os mercados municipais não abriram.

De acordo com a Polícia Militar, três pessoas foram detidas quando se preparavam para fechar a ponte que liga Aracaju à cidade de Nossa Senhora do Socorro, na região metropolitana.

Em Pernambuco, apesar de não aderirem oficialmente à greve geral, os rodoviários realizaram uma manifestação no centro do Recife. Já os metroviários paralisaram as atividades.

Em Curitiba, os petroleiros aderiram parcialmente à greve.

Já os bancários, vigilantes e profissionais da educação cruzaram os braços.

O Hospital de Clínicas, ligado à Universidade Federal do Paraná, ficou fechado.

Em Belo Horizonte, os professores e os metroviários aderiram ao movimento de paralisação. Manifestantes fizeram atos no centro da cidade, e chegaram a interditar algumas vias.

Em Boa Vista, foi decretado ponto facultativo pelo governo do Acre por causa do feriado municipal de São Pedro, que foi nesta quinta-feira (29). Com isso, os serviços públicos não foram afetados pela greve.

O governo federal argumenta que as reformas são necessárias para o ajuste fiscal das contas públicas, retomada do crescimento da economia e geração de empregos.

#Grevegeral #centraissindicais #Protestoscontrareformasdogovero

 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

1/3
300x250px - para veicular a partir do di
Leia também: