Lago e Montanhas

Lago e Montanhas

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Cabanas na Praia

Cabanas na Praia

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Roda Gigante

Roda Gigante

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Palmeiras

Palmeiras

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Pela Cidade de Bicicleta

Pela Cidade de Bicicleta

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Niterói cerceia os deficientes

October 6, 2017

Autor do projeto vetado, o ex-vereador Renatinho é ambulante e deficiente / Foto Arquivo TP

  

Mais do que impor restrições financeiras ao trabalho dos ambulantes que sofrem de deficiências físicas, o veto do prefeito Rodrigo Neves – confirmado terça-feira pela maioria dos vereadores – ao Projeto de Lei 80/2016, que altera um artigo do Código Tributário de Niterói, de autoria dos ex-vereadores Renatinho e Henrique Vieira, na prática cerceia a esse grupo o exercício da atividade de camelô.

 

A intenção do projeto apresentado em 2016 e que teve como coautor o líder do PSOL na Câmara, Paulo Eduardo, era isentar os ambulantes com deficiência física de pagarem qualquer tipo de contribuição à prefeitura, como a TACE (Taxa de Autorização para Exercício de Atividades Econômicas em Caráter Eventual ou Ambulante), cobrada anualmente. Ao justificar o seu veto, Rodrigo Neves considerou o projeto inócuo, alegando que, de acordo com a Lei Municipal 2.849/11, os ambulantes só poderão atuar na condição de Micro Empreendedor Individual (MEI), aos quais já foi concedida a isenção da TACE pelo município.

 

No entanto, segundo o presidente da Associação Niteroiense dos Ambulantes Portadores de Deficiência, Laércio Silva, grande parte dos associados são beneficiárias da Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), que assegura o pagamento pelo INSS de um salário mínimo às pessoas “com impedimentos de natureza física, mental, intelectual ou sensorial de longo prazo, impossibilitando-as de participar de forma plena na sociedade, em igualdade de condições” com as demais.

 

Para essa maioria dos ambulantes com deficiência, cadastrar-se como MEI significa abrir mão do benefício da LOAS, que deverá ser suspenso pelo INSS a partir do momento em que o beneficiário passe a exercer qualquer atividade remunerada. A informalidade, portanto, é a única maneira dessas pessoas complementarem seus rendimentos. O veto ao projeto dos vereadores do PSOL reafirma a exclusão das ruas dos camelôs com deficiência beneficiários da LOAS, à medida em que exige deles que sejam cadastrados como MEIs.

 

Se, por um lado, as restrições à atividade de camelô condenam ainda mais à miséria pessoas cujas limitações as impedem de disputar o mercado de trabalho de igual para igual com as demais, por outro os valores disputados pela prefeitura na forma de contribuição são insignificantes no universo do orçamento municipal, de R$ 2,3 bilhões em 2017. A Associação Niteroiense dos Ambulantes Portadores de Deficiência tem apenas 57 associados.

Ao isentar da TACE os ambulantes em geral, a prefeitura não abriu mão de suas receitas relativas ao comércio de rua, à medida em que exige deles que se transformem em Micro Empreendedores Individuais. Como MEIs, os camelôs contribuem com taxas toais de impostos – entre elas o ISS, imposto municipal – ainda maiores do que a TACE.

 

A atividade de camelô já foi – no passado e em muitas cidades – um privilégio das pessoas deficientes, justamente como um reconhecimento da sociedade às suas necessidades especiais. Hoje os deficientes estão sendo praticamente banidos das ruas de Niterói, que lhes nega a possibilidade de trabalho e de um pequeno rendimento adicional.

Please reload

Lago e Montanhas

Lago e Montanhas

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Cabanas na Praia

Cabanas na Praia

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Roda Gigante

Roda Gigante

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Palmeiras

Palmeiras

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Pela Cidade de Bicicleta

Pela Cidade de Bicicleta

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Leia também:
Please reload

Lago e Montanhas

Lago e Montanhas

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Cabanas na Praia

Cabanas na Praia

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Roda Gigante

Roda Gigante

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Palmeiras

Palmeiras

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Pela Cidade de Bicicleta

Pela Cidade de Bicicleta

Espaço reservado para anúncios nas editorias

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle