2022 começa com novo aumento de combustíveis


(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Em novo golpe no bolso do consumidor, a Petrobrás anunciou nesta terça-feira (11) que elevará mais uma vez os preços da gasolina e do óleo diesel a partir desta quarta-feira (12). O preço médio da venda da gasolina para as distribuidoras passará de R$ 3,09 para R$ 3,24 por litro, o que representa um aumento de 4,85%. O diesel vai subir de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro, alta de 8,08%.

A alta de 10,06% em 2021 na inflação oficial divulgada também nesta terça pelo IBGE, foi puxada pelo aumento de 21,03% no grupo Transportes. Em 2020, o IPCA fechou o ano com alta de 4,52%. Segundo o IBGE, o grupo foi afetado em 2021 principalmente pelos combustíveis.

De longe, o principal impacto na inflação anual foi da gasolina, que correspondeu a 2,34 pontos percentuais. A gasolina acumulou alta de 47,49% em 2021 e o etanol, de 62,23%.

O segundo maior impacto no grupo foi o item gás de botijão, que subiu 36,99% no ano, acumulando 48,76% de aumento desde junho de 2020.

Política de governo

Os sucessivos aumentos abusivos podem ser explicados pela política de preços praticada pela Petrobrás que começou no governo golpista de Michel Temer (MDB) e foi mantida pelo governo de Jair Bolsonaro (PL). A política de paridade de preços com o mercado internacional privilegia a estatal e seus acionistas e o caixa do governo federal, em detrimento do consumidor brasileiro, que vem arcando com sucessivos aumentos de preço no bico dos postos de combustíveis.

Já a justificativa da diretoria da Petrobrás é a que se segue:

"Esses ajustes são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras.

Dessa forma, a Petrobras reitera seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, acompanhando as variações para cima e para baixo, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos, das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais.

De forma a contribuir para a transparência de preços e melhor compreensão da sociedade, a Petrobras publica em seu site informações referentes à formação e composição dos preços de combustíveis ao consumidor."

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif