América Latina 'não é mais quintal dos EUA', afirma mídia chinesa


(Reprodução)

Em editorial, mídia estatal da China pede que EUA respeitem países latino-americanos e caribenhos.

Em editorial publicado nesta segunda-feira (6), o Global Times ouviu especialistas e fez uma análise sobre a Cúpula das Américas, que será realizada em Los Angeles, entre 6 e 10 de junho.

A publicação entende que os EUA enfrentarão "uma situação embaraçosa", com muitos países da região não participando do encontro devido à recusa de Washington em convidar líderes de Cuba, Venezuela e Nicarágua.

Analistas chineses disseram que o "boicote" prova que a América Latina não é um "quintal" dos EUA, apontando que o declínio da hegemonia dos EUA significa que Washington "é incapaz de impedir que o continente busque autonomia e desenvolvimento baseado em seus interesses próprios".

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, citado pela publicação, disse em uma coletiva de imprensa de rotina na segunda-feira (6) que a situação atual provou que a mentalidade dos EUA impulsionada pela "doutrina Monroe" e seu "truque" de usar a "democracia" como uma ferramenta "para interferir e dividir os países" não é bem-vindo no continente.

"Como anfitriões da cúpula, os EUA precisam parar com todas as suas abordagens hegemônicas e dar respeito concreto aos países da América Latina e do Caribe", disse ele.

Guo Cunhai, especialista em estudos latino-americanos da Academia Chinesa de Ciências Sociais em Pequim, disse ao Global Times que a situação mostra "que os países da região estão mais unidos e desejosos de livrar o continente do controle dos EUA".

"Atualmente, não apenas o México e a Argentina, mas também o Brasil provavelmente verá uma virada à esquerda nas eleições deste ano. Isso prova que a política dos EUA na América Latina falhou em cuidar dos interesses dos países regionais", disse Guo.

A publicação afirma que "os povos de quase todos os países latino-americanos têm más lembranças da hegemonia dos EUA", dado que Washington "apoiou direta ou indiretamente o tráfico de drogas, a venda de armas e a corrupção em muitos países da região".

Heinz Dieterich, sociólogo e analista político alemão, disse ao Global Times que "as elites dominantes do poder dos EUA estão totalmente fora de contato com a realidade de hoje".

Por fim, Guo também lembrou que os EUA não receberam apoio da maioria dos países latino-americanos para suas sanções e acusações contra a Rússia após o início do conflito na Ucrânia, o que prova que os "países da região estão buscando um caminho de autonomia em vez de seguir cegamente os EUA".


Fonte: Agência Sputinik

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg