728x90_2.gif

Amazônia: 11 milhões de hectares roubados da floresta


Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) e da Universidade Federal do Pará (UFPA) identificaram 11,6 milhões de hectares de florestas públicas não destinadas na Amazônia registrados ilegalmente como propriedade privada. Este número representa 23% dos 49,8 milhões de hectares de florestas sem destinação.

A pesquisa, intitulada "Terra sem lei na terra de ninguém: as florestas públicas não destinadas na Amazônia brasileira", foi publicada nesta segunda-feira (22) no periódico de artigos acadêmicos "Land Use Policy", revelando o caos na maior floresta tropical do Planeta que vem sendo agravado pelo incentivo à grilagem, entre outros, através desses registros ilegais.

Os pesquisadores fizeram uma relação direta com a MP 910, conhecida como a MP da Grilagem, que foi transformada no Projeto de Lei 2633/2020. A regularização fundiária estava prevista para aqueles que ocuparam terras antes de 2008 e o agora PL poderá estender a anistia à grilagem até 2014. Com o PL, o governo espera legalizar ao menos 600 mil propriedades até 2022. Segundo os pesquisadores, ações como essa têm o potencial de estimular mais invasão de grileiros e a perda de florestas por desmatamento e queimadas - na grilagem, os invasores derrubam e queimam árvores para abrir espaço ao pasto e ao gado, dando aspecto de "produtividade" à área para "iludir" os órgãos governamentais de fiscalização e controle.

Em 2019, 30% do desmatamento na Amazônia aconteceu em terras públicas não destinadas.

Segundo um outro estudo, feito pela organização Mapbiomas, 99% do desmatamento ocorrido em 2019 foi ilegal.

Neste terça-feira (22), investidores europeus ameaçaram deixar o Brasil por conta da destruição da Amazônia. Um grupo de 30 empresas globais de investimento, de nove países diferentes, que administram US$ 3,7 trilhões, está exigindo reuniões com diplomatas brasileiros em todo o mundo para pedir ao governo do presidente Jair Bolsonaro que detenha o avanço do desmatamento na Floresta Amazônica.

1/3