Após saída de Teich, Saúde recomendará uso de cloroquina


O uso amplo da cloroquina, ainda sem eficácia comprovada, foi rejeitado pelos dois ex-ministros da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou uma nota nesta sexta-feira (15) informando que está sendo preparada uma atualização do protocolo para o uso do medicamento cloroquina para tratar a COVID-19.

O ex-ministro Nelson Teich, exonerado nesta sexta-feira (15), havia declarado anteriormente que o medicamento tem efeitos colaterais e foi contrário à ampliação do protocolo. Uma série de estudos internacionais mostraram que a cloroquina não tem eficácia para combater o coronavírus.

"O Ministério da Saúde está finalizando novas orientações de assistência aos pacientes com COVID-19. O objetivo é iniciar o tratamento antes do seu agravamento e necessidade de utilização de UTI [Unidades de Terapia Intensiva]", diz o comunicado.

De acordo com a pasta, "o documento abrangerá o atendimento aos casos leves, sendo descritas as propostas de disponibilidade de medicamentos, equipamentos e estruturas, e profissionais capacitados".

"As orientações buscam dar suporte aos profissionais de saúde do SUS [Sistema Único de Saúde] e acesso aos usuários mais vulneráveis às melhores práticas que estão sendo aplicadas no Brasil e no mundo", acrescentou o Ministério da Saúde.

O protocolo anterior recomendava o uso da cloroquina apenas para "casos críticos da COVID-19" e para "pacientes hospitalizados com formas graves da COVID-19". O documento também relata efeitos colateras como distúrbios vasculares e retinopatia.


Do Sputnik Brasil

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif