Apoio a mulheres contra violência é tema de projeto da UFF

O aumento dos índices de violência doméstica são alarmantes desde o início da pandemia, chamando a atenção inclusive da Organização Mundial de Saúde (OMS) ao revelar um efeito nefasto da doença especialmente sobre as mulheres. Atenta ao crescimento, a professora Paula Land Curi, coordenadora do curso de Psicologia da UFF, buscou reunir os esforços que faz desde 2016 na luta contra a violência de gênero por meio da articulação de três projetos para formalizar a proposta de programa de extensão tripartite intitulado “Mulherio: tecendo redes de resistência e cuidados”.


Fernando Frazão / Agência Brasil

O primeiro projeto de extensão lançado por Paula em 2016 chamava-se “Por que também temos que falar de violência?” e objetivou desenvolver ações centradas na temática da violência contra a mulher, a partir de uma perspectiva de gênero, por meio de ações com mulheres e junto delas, especialmente pelo atendimento psicológico, visando também a formação acadêmico-profissional de estudantes.


A partir de demandas levantadas nessas ações, Paula criou outros dois projetos. O primeiro deles, “Promoção de cuidados e assistência humanizada às mulheres em situação de gestação, parto e puerpério” que presta assistência psicológica a mulheres na Maternidade Municipal Alzira Reis, visa ampliar a assistência humanizada, diminuir violências, estimular o protagonismo feminino em relação aos diretiros reprodutivos, avaliar políticas públicas e capacitar discentes em uma perspectiva interseccional de gênero, classe e raça.


O segundo busca refletir sobre e intervir nas violências e violações de direitos, que incidem sobre as minorias sociais, em especial mulheres, também sob uma perspectiva interseccional, de forma a propor meios para o enfrentamento cotidiano dessas violências e violações de direitos, bem como fortalecer a promoção e a garantia de direitos e a consolidação de uma universidade sustentada em princípios democráticos e de justiça social.


Os três projetos foram articulados em 2020 de forma aumentar a força para a mobilização social. Cada um deles deles funciona como eixo de trabalho, circunscrevendo a atuação da equipe com as e junto das mulheres. Paula ressalta que “fomos nos capilarizando nas redes de enfrentamento e de cuidados voltados para às mulheres em situação de violência de gênero, visto que todos os projetos se pautam em criação de espaços de resistências e cuidados para aquelas que, embora maioria populacional, são consideradas minorias sociais. O Programa se apresenta como um grande articulador e projetos e conta com inúmeras parcerias, que, em redes, tecem redes de resistência, cuidados e proteção às mulheres”.


As atividades do programa têm acontecido de forma remota durante a pandemia: eventos, seminários e atividades de oficinas, algumas disponíveis nas mídias sociais, além da entrevistas realizadas com Paula em lives e podcasts.


O atendimento psicológico a mulheres em situação de violência também permanece ativo, mediado pelas tecnologias. O programa estabelece ainda parcerias para atendimento jurídico ou outros encaminhamentos que se façam necessários, quando identificados no atendimento. Há uma cartilha interativa online e, em breve, haverá o lançamento de um livro de memórias do Mulherio em tempos pandêmicos. Por fim, o programa é uma rica fonte para o desenvolvimento de pesquisas relacionadas a violência de gênero e dele saem trabalhos de conclusão de curso, projetos de iniciação científica, além de artigos sobre as temáticas que se entrecruzam.


O Programa é interprofissional, multidisciplinar e intersetorial, abrangendo muitos campos de pesquisa e atuação para discentes e docentes da UFF, além de instituições que desejem se tornar parceiras. As pessoas em formação e a sociedade civil podem se beneficiar se tornando integrante, se tornando parceiro ou, simplesmente, participando de nossas ações, hoje virtuais. Já as mulheres em situação de violência podem solicitar atendimentos via nosso e-mail de contato: cuidardemulheres@gmail.com


Fonte: Universidade Federal Fluminense (UFF)

1/3
300x250px - para veicular a partir do di

 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

Leia também: