Argentina condena quatro ex-militares a prisão perpétua


(Reprodução)

A Justiça da Argentina condenou nesta segunda-feira (4) quatro ex-militares da Força Aérea a prisão perpétua, no julgamento dos chamados 'Voos da Morte' ocorridos durante a ditadura civil-militar (1976-1983).

No processo, de iniciativa da Secretaria de Direitos Humanos, foram investigados os crimes de quatro pessoas sequestradas, cujos corpos apareceram na costa de Buenos Aires.

Em sua sentença, o Tribunal Federal Oral nº 2 de San Martín decidiu por unanimidade aplicar a pena máxima e inabilitação perpétua a quatro ex-oficiais do aeródromo militar Campo de Mayo, local utilizado durante a ditadura para praticar crimes, que consistia em lançar ao mar os corpos de pessoas detidas ilegalmente.

Santiago Omar Riveros, Luis del Valle Arce, Delsis Malacalza e Eduardo Lance, que eram membros do Batalhão de Aviação Campo de Mayo 601, foram considerados culpados pela busca ilegal, sequestro, tortura e assassinato dos estudantes do ensino médio Adrián Rosace e Adrián Accrescimbeni, Rosa Corvalan e Roberto Arancibia.

Os militares aposentados devem cumprir a pena efetivamente, em prisão comum, conforme estabelecido pela decisão judicial.

"Prisão perpétua e prisão comum para 4 ex-militares dos “Voos da Morte” em Campo de Mayo: foram condenados oficiais do Batalhão de Aviação 601 Luis Del Valle Arce, Eduardo Lance e Ángel Delcis Malacalza e Santiago Omar Riveros. o @SDHAArgentina foi reclamante."


Os estudantes foram sequestrados e mantidos em cativeiro no Campo de Mayo, seus corpos apareceram nas costas de Magdalena, Punta Indio e Las Toninas, província de Buenos Aires, e foram identificados pela Equipe Argentina de Antropologia Forense (EAAF).

A decisão é de vital importância para as organizações de direitos humanos porque dá como certa a existência dos 'vôos da morte' em Campo de Mayo como um mecanismo de extermínio implementado pelo Exército durante a ditadura.

"Este é o primeiro julgamento dos voos da morte no Exército. Durante o debate foi possível comprovar, por meio de depoimentos de ex-recrutas, o funcionamento desse maquinário planejado e sistemático que serviu para desaparecer e eliminar milhares de pessoas" , disse a Secretaria de Direitos Humanos.


Com a agência RT

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif