top of page

Atirador de Paris admite que agiu por 'ódio patológico' a imigrantes


(Reprodução)

Um interrogatório policial lança luz sobre os motivos que fizeram o atirador de Paris cometer o crime.

O atirador que disparou e matou três pessoas na capital francesa admitiu aos investigadores que o massacre foi motivado por seu antigo ódio aos estrangeiros, disse o procurador de Paris no domingo (25).


Durante o interrogatório, o suspeito teria dito que desenvolveu um "ódio por estrangeiros que se tornou totalmente patológico" após um roubo em sua casa em 2016, disse a promotora Laure Beccuau em um comunicado.


O homem, de 69 anos, se descreveu como alguém "depressivo" e "suicida" e supostamente planejava se matar com a última bala. Ele inicialmente procurou atingir a população imigrante no subúrbio de Seine-Saint-Denis, no norte de Paris, mas mudou de ideia depois de ver "poucas pessoas" na área e achar suas roupas muito desconfortáveis para recarregar a arma com rapidez suficiente.


Em vez disso, ele abriu fogo em um centro cultural curdo e em um café próximo na sexta-feira (23), matando dois homens e uma mulher e ferindo outras três pessoas no 10º distrito de Paris.


Anteriormente identificado como "William M." pela mídia francesa, o maquinista aposentado estava supostamente armado com uma pistola Colt 1911 do Exército dos Estados Unidos, junto com vários pentes carregados.

"Caos no centro de Paris, veículos capotados e incendiados. Conflitos em andamento."


O procurador acrescentou que os investigadores foram forçados a interromper o interrogatório por "motivos médicos" no sábado (24) e transferir o suspeito para um centro psiquiátrico da polícia. Nesse ínterim, a polícia fez uma busca na casa de seus pais, onde ele morava, mas não encontrou nenhuma evidência que o ligasse a uma "ideologia extremista".

"Caso você tenha perdido, Paris está passando por tumultos pelo assassinato de três curdos em um tiroteio em massa na sexta-feira."


No entanto, as autoridades reconheceram anteriormente que o suspeito tinha um histórico de violência contra imigrantes e havia acabado de ser libertado da detenção enquanto aguardava julgamento por um ataque a faca em um acampamento de imigrantes em Paris há um ano. Ele também foi condenado por violência armada em 2016 – uma decisão da qual ele recorreu.


O ataque provocou agitação em massa no fim de semana, quando moradores locais chocados exigiram justiça e acusaram a polícia de ignorar as ameaças à comunidade curda. O protesto logo se tornou violento, com multidões enfurecidas atirando projéteis na polícia, virando vários carros e quebrando vitrines. A polícia respondeu com gás lacrimogêneo e prendeu pelo menos 11 pessoas em uma tentativa de conter a violência, e mais tarde disse que mais de 30 policiais ficaram feridos em confrontos.


Fonte: Agência Sputnik

300x250px.gif
728x90px.gif