top of page

Bailarina sobe ao palco no Rio para homenagear Angel Vianna

"Gente é como nuvem, sempre se transforma”, disse certa vez a diva da dança contemporânea brasileira, Angel Vianna. A fluidez e a beleza desse pensamento tocou a artista Moira Braga e inspirou o nome do espetáculo que estreia dia 1º de dezembro e tem apresentações com entrada gratuita até dia 4/12 no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro. De lá, segue para o Teatro Cacilda Becker, onde fica em cartaz de 8 a 11 de dezembro a preços populares.

Foto: Luciano Xavier / Divulgação

“O ‘Entre nuvens’ celebra os encontros, os afetos e as transformações que eles são capazes de provocar em nós”, diz Moira, pessoa cega que descobriu com Angel a possibilidade de dançar e, desde então, vem construindo uma carreira nas artes da cena.


Atriz, bailarina, performer, preparadora corporal e consultora de audiodescrição em conteúdos artísticos, Moira Braga também é professora da Escola e Faculdade Angel Vianna. Atualmente, uma das preparadoras de elenco da primeira novela da Globoplay “Todas as Flores” (de João Emanuel Carneiro), onde também interpreta a personagem Fafá.


“Entre Nuvens” traz uma proposta estética inédita. Moira explora a audiodescrição e a tradução em Libras como parte da dramaturgia, para além de medidas de acessibilidade. Três mulheres estarão em cena: Moira, Beatriz Corrêa (intérprete de Libras) e uma audiodescritora - Nara Monteiro ou Georgea Rodrigues, a depender do dia da apresentação.


“Trabalhei com a ideia de tríades desde o momento da pesquisa, que fiz com duas artistas da dança que também têm deficiência visual - Renata Mara, de Minas Gerais, e Natalia Rocha, da Bahia, o mesmo percurso feito por Angel até se estabelecer no Rio”, destaca a bailarina.


O espetáculo foi contemplado na linha 'Dança' do edital do Programa de Fomento Carioca, o FOCA 2021, e é parte da pesquisa de mestrado que Moira vem desenvolvendo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Essa instituição foi a primeira a ter um curso de ensino superior em Dança no Brasil, estruturado com a ajuda de Angel e Klauss Vianna na década de 1960.


“Quando escolhi o tema da pesquisa, pensei: ‘meu estar aqui é por causa da Angel, quero que seja uma homenagem a ela’. Além disso, percebo que a dança ainda guarda muitos traços de machismo e desigualdade entre os papéis de gênero e é preciso fortalecer e reafirmar o lugar de mulheres como Angel, que atuam com competência absoluta como agente de transformação social e desenvolvimento de uma identidade artística e cultural de referência”, completa Moira.

300x250px.gif
728x90px.gif