top of page
banners dengue balde niteroi 728x90 29 2 24.jpg

Bancada da bala quer liberar porte de armas em locais de votação


(Reprodução)

Presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública, a "Bancada da Bala", o deputado Capitão Augusto (PL), do mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro, entrou com uma ação para liberar o porte de armas de fogo em locais de votação nas eleições deste ano.


O parlamentar pediu ao procurador-geral da República, Augusto Aras, nesta sexta-feira (2), para que ele intervenha junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar rever a decisão que restringiu o uso de armas no dia da eleição.


O TSE decidiu, por unanimidade, que está proibido o porte de armas nos locais de votação. A medida também vale nas 48 horas que antecedem e nas 24 horas que sucedem o pleito.


Integrantes das forças de segurança só poderão andar armados se estiverem em serviço e quando autorizados ou convocados pela autoridade eleitoral competente.


No ofício enviado para a Procuradoria Geral da República (PGR), o Capitão Augusto afirmou que a medida pode trazer "graves consequências".


Ele pediu para que Aras tome as providências necessárias "para corrigir e evitar os danos que podem ser causados aos agentes de segurança pública e a toda sociedade".


"Mesmo que o policial não esteja de serviço, o porte de arma não é um benefício ou um privilégio, mas medida de absoluta necessidade para salvaguardar a sua vida e dos demais cidadãos", justificou.


Assassinato de petista por bolsonarista

Em julho, respondendo uma consulta feita pelo deputado federal Alencar Santana (PT) à Justiça Eleitoral sobre porte de armas, o ministro Ricardo Lewandowski, do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), manifestou preocupação com o aumento da polarização e da violência política, e citou a invasão do Capitólio nos Estados Unidos por apoiadores de Donald Trump, em janeiro do ano passado, quando cinco pessoas foram mortas. O ministro também mencionou o crescimento do número de armas de fogo em posse de Caçadores, Atiradores e Colecionadores, os chamados CACs, um dos setores mais identificados com o bolsonarismo.


A questão foi encaminhada ao TSE após um policial penal bolsonarista assassinar a tiros um guarda municipal petista em Foz do Iguaçu, durante a festa de seu aniversário de 50 anos com temática Partido dos Trabalhadores e Lula.


"Não vejo como deixar de constatar que ao quadro de aumento da violência e da polarização, soma-se a não menos preocupante ampliação da posse e circulação de armas de fogo em todo o território nacional. São alarmantes os números concernentes ao número de armas de fogo em posse da população", enfatizou Lewandowski, na ocasião.


Chamada Sons da Rússia5.jpg
banners dengue balde niteroi 300x250 29 2 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page