Bancada Ruralista quer flexibilizar agrotóxicos e mudar Código Florestal

Especialistas e profissionais da saúde manifestam grande preocupação com o Projeto de Lei 6.299, conhecido como PL do Veneno, que flexibiliza o registro de agrotóxicos no Brasil. O Código Florestal também tem sido alvo de proposta de alteração, comprometendo Áreas de Preservação Permanente (APPs). O processo de licenciamento da proposta de lei ainda considera que isso seja de responsabilidade apenas do Ministério da Agricultura. Em tramitação no Senado, o interesse da bancada ruralista é que a lei seja aprovada antes do recesso parlamentar.

Pixabay

O professor Pedro Luiz Côrtes, da ECA e titular do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, diz que o processo atual é avaliado por órgãos como o Ibama e a Anvisa. Estes analisam os impactos na saúde dos indivíduos que entrarão em contato com o produto, podendo vetar ou não o uso durante a produção agrícola em uma decisão tripartite com o Ministério da Agricultura.


Demandas e modificações


Na reformulação da lei, caberia “única e exclusivamente” ao Ministério da Agricultura a decisão final sobre quais produtos poderiam ser utilizados. Tanto o Ibama quanto a Anvisa funcionariam “apenas como órgãos consultores”, mesmo possuindo uma equipe especializada para esse tipo de análise, enquanto a pasta ainda não a possui.


“Então, o grande temor é que produtos que possam causar sérios prejuízos ambientais e à saúde sejam licenciados”, complementa o professor.


O tempo de espera pelo licenciamento de agrotóxicos é questionado pelos ruralistas, o que pode gerar uma “desvantagem” na produção agrícola em relação aos competidores internacionais.


Para Côrtes, a agilização do processo resultaria em uma "falta de controle em relação ao uso de agrotóxicos”, gerando consequências na saúde da população, com doenças como o câncer e a morte de abelhas, que são fundamentais para o processo de polinização, decorrentes do apressamento para a liberação de produtos.


Ele também destaca algumas modificações no Código Florestal, como a proposta de criação de reservatórios de água nas áreas de preservação ambiental, o desconto em multas ambientais para agricultores e a possibilidade de uma fiscalização privada do agronegócio.


"Somados à condição da PL dos Venenos, temos impactos muito significativos. Pode ser extremamente prejudicial à preservação e integridade de zonas ambientais", comenta.


A expectativa dos políticos que apoiam o projeto. é que ele seja discutido e votado antes do recesso, já que, passado esse período, as forças estarão concentradas nas campanhas eleitorais. Um dos motivos por trás disso é a incerteza gerada pela possível futura configuração do Congresso.


Fonte: Jornal da USP


300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif