BC eleva os juros pela 8ª vez e taxa volta aos dois dígitos


(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Em meio ao aumento da inflação de alimentos, combustíveis e energia, o Banco Central (BC) apertou ainda mais os cintos. O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou nesta quarta-feira (2) a taxa Selic, juros básicos da economia, de 9,25% para 10,75% ao ano. É a oitava alta consecutiva da taxa, que pela primeira vez em cinco anos atinge os dois dígitos.

De março a junho do ano passado, o Copom tinha elevado a taxa em 0,75 ponto percentual em cada encontro. No início de agosto, o BC passou a aumentar a Selic em 1 ponto a cada reunião. Com a alta da inflação e o agravamento das tensões no mercado financeiro, o reajuste passou para 1,5 ponto nas três últimas reuniões.

Com a decisão desta quarta-feira (2), a Selic continua num ciclo de alta, depois de passar seis anos em ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018. A Selic voltou a ser reduzida em agosto de 2019 até alcançar 2% ao ano em agosto de 2020.

Inflação

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em 2020, o indicador fechou em 10,06%, no maior nível desde 2015, pressionado pelo dólar, pelos combustíveis e pela alta da energia elétrica.

Se por um lado pode controlar a inflação, por outro lado, taxas mais altas dificultam a recuperação da economia.

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif
Toda Palavra 076 - p 4-5.jpg

Leia a versão digital da edição impressa do TP