Benedita chama Camargo de "capitão do mato"


(Reprodução)

Candidata à Prefeitura do Rio, a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) foi retirada da galeria de Personalidades Negras da Fundação Palmares. O anúncio, feito via twitter pelo presidente da instituição, Sérgio Camargo, indica que o nome da ex-governadora do Rio foi retirado porque ela "responde pelo crime de improbidade administrativa e seus bens foram bloqueados pela Justiça". Indignada, Benedita reagiu dizendo que Carmargo é "capitão do mato" que age a mando de Bolsonaro, e fazendo alusão a uma interferência indevida do Poder Executivo Federal na disputa eleitoral carioca.

“Ainda hoje fui surpreendida por uma decisão arbitrária do capitão do mato que preside, a mando de Bolsonaro, a Fundação Palmares, que deveria preservar a memória e a cultura do povo negro, mas está fazendo o contrário. Depois de excluir Mandela, Zumbi dos Palmares, da galeria de personalidades negras da Fundação, o capitão do mato retirou meu nome desta galeria”, disse Benedita, e prosseguiu: “Mesmo não estando lá, eu continuo em boa companhia. Mas, o que ele fez é ilegal, é abuso de poder”, concluiu, através de vídeo divulgado em seu perfil no Twitter.

Benedita da Silva teve seus sigilos bancário e fiscal quebrados e bens bloqueados numa ação movida pelo Ministério Público do Rio, há seis anos, sobre suspeita de execução financeira irregular e dispensa de licitação na contratação da Fundação Darcy Ribeiro, na época em que era secretária estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, de 2007 a 2010.

O processo continua em tramitação em primeira instância no TJ-RJ.

“Com 40 anos de vida pública, a deputada Benedita da Silva já foi vereadora, deputada, senadora, secretária, governadora e ministra, sem jamais ter sido condenada sequer em primeira instância”, diz uma nota de sua assessoria.

Nota do PT

Em nota pública, o Partido dos Trabalhadores (PT) repudiou "a conduta autoritária" da atual direção da Fundação Palmares. Veja a nota na íntegra:


"As Secretarias Nacionais de Mulheres e de Combate ao Racismo do PT vêm a público externar seu repúdio a conduta autoritária e a tentativa de apagamento da memória de importantes narrativas do povo negro pelo atual governo, desta vez usando a Fundação Cultural Palmares (FCP), órgão nascido junto a redemocratização do Brasil e símbolo da resistência do povo negro.

No último dia 30 de setembro, o atual presidente da FCP anunciou a retirada do nome da Deputadas Federal Benedita da Silva da lista de personalidades negras da Fundação, deste modo Benedita figura ao Lado de Nelson Mandela e Zumbi dos Palmares que também foram retirados da lista.

Benedita é atualmente uma das principais candidatas na disputa eleitoral a prefeitura do Rio de Janeiro, de modo que este ato em meio ao processo eleitoral representa mais uma vez o uso da máquina pública para desgastar a imagem de quem se demonstrou a principal adversária política nesta disputa.

Ressalta-se que Benedita da Silva já tem seu nome gravado na história do país, pois sua luta e trajetória no movimento negro, de mulheres e no partido a levaram a ser a primeira mulher negra a ocupar os mais altos cargos eletivos como ser a primeira mulher negra a ser vereadora negra da cidade do Rio de Janeiro, primeira Deputada Federal constituinte, Senadora e governadora negra. Além disso foi a autora do projeto que institui o 20 de novembro como dia da Consciência Negra.

Deste modo nos manifestamos pela urgência da demissão do atual Presidente e pelo restabelecimento do papel histórico da FCP na defesa e preservação da cultura e memória do povo negro.

São Paulo, 1° de outubro de 2020

Anne Moura

Secretária Nacional de Mulheres do PT

Martvs das Chagas

Secretário Nacional de Combate ao Racismo


Assista, no Twitter, o vídeo da deputada:

"Ninguém pode apagar a história que está escrita", diz ainda Benedita da Silva no Twitter.


300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif