Beth brilha com recorde mundial e 99º ouro do Brasil


Beth Gomes bate o recorde mundial e fatura a medalha de ouro em Tóquio (Foto: Wander Roberto/CPB)

Elizabeth Gomes, aos 56 anos, confirmou o favoritismo e conquistou, na manhã desta segunda-feira (30), a medalha de ouro no lançamento de disco, na classe F52, dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, com a marca de 17,62m - novo recorde mundial da prova. As ucranianas Iana Lebiedieva (15,48m) e Zoia Ovsii (14,37m) completaram o pódio.

A atleta paulista foi a última a fazer seus lançamentos e superou suas adversárias logo na primeira tentativa ao cravar 15,68m. Mesmo com a medalha garantida no peito, Beth seguiu competindo até alcançar a marca que lhe valeu o ouro e o recorde mundial.

Elizabeth era jogadora de vôlei em 1993 quando foi diagnosticada com esclerose múltipla. Demorou para aceitar a doença até conhecer o basquete em cadeira de rodas, em Santos. Descobriu o atletismo no mesmo local onde treinava. Beth é a atual recordista mundial do lançamento de disco.

Entre as suas principais conquistas estão o ouro no lançamento de disco no Mundial Dubai, em 2019, o ouro no lançamento de disco nos Jogos Parapan-Americanos Lima, também em 2019, o bronze no arremesso de peso no Mundial Doha, em 2015, além do ouro no lançamento de disco e a prata no arremesso de peso nos Jogos Parapan-Americanos Toronto, em 2015.

Claudiney Batista dos Santos se tornou bicampeão paralímpico ao conquistar mais uma medalha de ouro para o Brasil, na madrugada desta segunda-feira. O favoritismo do atleta no lançamento de disco classe F56 (cadeirantes) se confirmou com um lançamento de 45m59, e ainda conseguiu os quatro melhores lançamentos da prova, em seis tentativas. O bicampeão faturou o primeiro ouro na Rio 2016.

Além de conquistar o ouro, Claudiney bateu novamente o recorde paralímpico. Ele detém também o recorde mundial (46m68). Com a medalha obtida nesta madrugada, o atletismo chega a cinco medalhas em Tóquio. O pódio do lançamento de disco teve também o indiano Yogesh Kathuniya, que fez um lançamento de 44m38, medalha de pata, e o cubano Leonardo Aldana, que levou o bronze com um lançamento de 43m36.

A classe F56 abrange atletas com sequelas de poliomielite, lesão medular e amputação. O medalhista brasileiro teve sua perna esquerda amputada após um acidente de moto em 2005. Antes do acidente ele praticava halterofilismo. A entrada no atletismo foi em 2006.

Entre suas principais conquistas de Claudiney nos últimos anos estão a a medalha de ouro no Mundial Dubai 2019, e ouro no lançamento de disco e prata no lançamento de peso nos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019.

Falta um para o 100º ouro

O Brasil soma agora 35 medalhas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, com 11 ouros, oito pratas e 15 bronzes. Está na sexta colocação no quadro de medalhas geral. A China lidera com 54 ouros e 119 medalhas, com a Grã-Bretanha em seguida, com 68 medalhas, sendo 26 de ouro, e o Comitê Paralímpico da Rússia, em terceiro lugar, com 19 medalhas de ouro e um total de 61 medalhas.

Com essa 12ª medalha dourada em Tóquio, o Brasil soma 99 na história dos Jogos. A tão esperada 100ª medalha deve sair no sétimo dia de competições, nesta terça-feira.

Além de Beth e Claudiney, o Brasil subiu ao lugar mais alto do pódio no Japão com: Alana (judô na categoria até 70kg), Mariana D'Andrea (halterofilismo na categoria até 73kg), Gabriel Bandeira (100m borboleta na classe S14), Wendell Belarmino (50m na classe S11), Silvânia Costa (salto em distância na classe T11), Petrucio Ferreira (100m rasos na classe T47), Yeltsin Jacques (5.000m da classe T11) e Wallace dos Santos (arremesso de peso pela classe F55).

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg