Biden promete 'curar a América' da demonização


Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, e a vice-presidente, Kamala Harris, na noite da vitória (Reprodução)

"Prometo não dividir, mas unificar", disse Joe Biden em seu discurso da vitória após ser apontado como presidente eleito dos EUA. "É hora de curar a América", destacou o democrata, eleito com recorde de votos, se referindo ao que ele promete ser o fim da "era de demonização", que começou na campanha que elegeu o republicano Donald Trump em 2016. Como prioridade, o 46º presidente a ocupar a Casa Branca afirmou que terá um grupo de cientistas para implantar um plano anti-Covid-19 no país.

"Agora, para todos aqueles de vocês que votaram no presidente Trump, entendo sua decepção esta noite. Já perdi algumas vezes, mas agora vamos dar uma chance um ao outro", disse Biden. Para o ex-vice-presidente de Barack Obama, agora é a hora de os dois lados "ouvirem um ao outro novamente".

"É hora de colocar de lado a retórica dura, baixar a temperatura, nos vermos novamente, ouvirmos uns aos outros novamente e, para progredir, temos que parar de tratar nossos oponentes como nossos inimigos. Eles não são nossos inimigos. Eles são americanos ", disse.

"A Bíblia nos diz que para tudo existe um tempo, um tempo para construir, um tempo para colher, um tempo para semear e um tempo para curar. É hora de curar a América [...] A era da demonização acaba agora!", frisou.

"Garanto que serei um presidente que não quer dividir, mas unificar. Que não vê estados vermelhos ou azuis, mas que vê os Estados Unidos", afirmou Biden no palco montado em Wilmington.


"O povo desta nação disse que nos proporcionou uma vitória clara, uma vitória convincente, uma vitória para nós, o povo", disse. "Ganhamos com o maior número de votos já obtidos em uma chapa presidencial na história do país, 74 milhões", acrescentou.

Biden revelou que ficou surpreso com a celebração nas ruas de todo o país, o que chamou de uma "efusão de alegria, esperança, fé renovada no amanhã para trazer outro dia".

"Sinto-me humilde pela confiança e segurança que vocês depositaram em mim", acrescentou o presidente apontado como eleito pela mídia americana ao ter ultrapassado o total de 270 delegados necessários para vencer - o placar está 290 x 214 pró Biden.

Kamala Harris: 'não serei a última'

"Quando nossa democracia esteve no voto, com a alma americana correndo risco e o mundo observando, vocês garantiram um novo dia para a América [...] Vocês escolherem Joe Biden como novo presidente dos Estados Unidos da América", disse Kamala.

"Ao povo americano que compõe nosso belo país, obrigada por comparecer em número recorde para fazer sua voz ser ouvida [...] Sei que os tempos têm sido desafiadores. Principalmente nos últimos meses. A tristeza e a dor, as preocupações e as lutas. No entanto, também testemunhamos sua coragem, sua resiliência e a generosidade de seu espírito. Por quatro anos, você marcharam e se organizaram por igualdade e justiça, por nossas vidas e pelo nosso planeta e depois votaram. E transmitiram uma mensagem clara", declarou.

"Vocês escolheram esperança, unidade e a verdade quando votaram por Biden", acrescentou.

"Apesar de eu ser a primeira mulher neste cargo [vice-presidente], Não serei a última", disse a vice-presidente apontada como eleita pela mídia dos EUA.


Com a Sputnik

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif