Bolsonarista Zé Trovão se entrega após 2 meses foragido


(Reprodução)

O militante bolsonarista Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, que estava foragido há quase dois meses, retornou ao Brasil e se entregou à Polícia Federal nesta terça-feira (26). Ele esteve foragido no México desde as vésperas do 7 de Setembro, após sua prisão ter sido decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), por incitar violência e atos antidemocráticos no Dia da Independência.

O bolsonarista teria regressado de avião ao Brasil no último final de semana e ficado escondido até se entregar à PF em Joinville (SC), onde mora com a família.

“Neste 26 de outubro, eu me entreguei à Justiça brasileira, me apresentei à Justiça brasileira, porque, como diz o nosso hino, verás que um filho teu não foge à luta", disse Zé Trovão em uma gravação divulgada por ele em uma rede social antes de se entregar.

No último dia 18, o plenário virtual do STF rejeitou um pedido de habeas corpus apresentado por deputados bolsonaristas em favor do caminhoneiro e manteve sua prisão preventiva, decretada em 1º de setembro.

Agora, Zé Trovão poderá explicar como conseguiu fugir do país.

Uma semana depois da decretação da prisão, ele chegou a ser localizado pela Polícia Federal escondido em um hotel na Cidade do México. Posteriormente, ele teria pedido asilo político no México, mas não conseguiu seu intento.

Dono de um canal no Youtube, Zé Trovão fazia ataques à CPI da Covid, no Senado, chamava a população para ir a Brasília e exigia a “exoneração dos 11 ministros do STF”. Ele participou de motociatas em favor de Bolsonaro.

No final de agosto, ele, o cantor Sérgio Reis e o deputado bolsonarista Otoni de Paula (PSC-RJ), entre outros, foram alvo de busca e apreensão em suas casas feitas pela Polícia Federal por determinação do STF.

O pedido de habeas corpus foi apresentado pelos deputados bolsonaristas Vitor Hugo (PSL-GO) e Carla Zambelli (PSL-SP), que também é investigada em inquérito no STF sobre organização e financiamento de atos antidemocráticos.

300x250px.gif
728x90px.gif