Bolsonaro desautoriza compra de vacina da China


No Facebook, Bolsonaro afirma que "não compraremos a vacina da China" (Reprodução)

Algumas horas depois de o Ministério da Saúde anunciar a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina chinesa desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em sua página no Facebook que o Brasil não irá comprar "a vacina da China".

A afirmação foi em resposta a uma seguidora na rede social que pediu a exoneração do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello: "Bom dia presidente. Exonera Pazuelo urgente, ele está sendo cabo eleitoral do Doria. Ministro traíra", escreveu a bolsonarista.

"Tudo será esclarecido ainda hoje. Não compraremos a vacina da China", respondeu Bolsonaro.

O acordo anunciado pelo Ministério da Saúde com o Instituto Butantan, de São Paulo, prevê que 6 milhões de doses virão prontas da China e 40 milhões serão finalizadas no Brasil. O acordo inclui, além da compra das doses, também a transferência de tecnologia para que o Butantan possa fabricá-las a partir de 2021.

Na segunda-feira, sem citar o nome do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), Bolsonaro disse que tem um governador que quer ser "médico do Brasil". E colocou em dúvida a eficácia da vacina chinesa, dizendo que “tem que ter comprovação científica. O país que está oferecendo essa vacina tem que primeiro vacinar em massa os seus antes de oferecer para outros países” e ainda completou: “Muita coisa assim você só consegue vender para outros países depois de usar em seu país e comprovar sua eficácia”.

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o Brasil é o segundo país com mais mortes causadas pela Covid-19, com cerca de 155 mil, atrás apenas dos Estados Unidos, com mais de 221 mil óbitos.




300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif