top of page

Bolsonaro reúne aliados em Copacabana em ato contra STF


O ex-presidente Jair Bolsonaro participou de um ato público na orla da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, na manhã deste domingo (21), com ataques a decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e exaltação ao multibilionário Elon Musk, dono do X (antigo Twitter). Em seu discurso, Bolsonaro também voltou a defender anistia aos condenados pelo 8 de janeiro e a negar a trama golpista no país após a derrota na eleição de 2022. O próprio Bolsonaro usou suas redes sociais para convocar as pessoas para a manifestação. Cerca de 32,7 mil pessoas compareceram, segundo cálculo do grupo de pesquisa "Monitor do debate político", da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, citado pelo Globo.


Com várias falas que misturaram política e religião, os aliados do ex-presidente fizeram discursos em favor de Bolsonaro, de Musk e da "liberdade de expressão", além de criticarem veículos de imprensa, o atual governo, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, e as investigações em relação à tentativa de golpe de Estado.


Ao falar em cima de um trio elétrico, Bolsonaro se disse vítima da “covardia” de um “sistema” que quer vê-lo “fora de combate em definitivo”. Em novembro do ano passado, ele foi condenado pelo Tribunal Superior Eleitoral a oito anos de inelegibilidade, por abuso de poder político e econômico, pelo uso eleitoreiro das comemorações de 7 de Setembro de 2022. Bolsonaro, no entanto, já havia sido alvo da mesma punição em junho, por conta de uma reunião que promoveu com embaixadores no Palácio da Alvorada para atacar o processo eleitoral brasileiro, sem apresentar provas. Por lei, as condenações deste tipo não são cumulativas.


Bolsonaro também é investigado em inquérito sobre a tentativa de golpe ocorrida no dia 8 de janeiro de 2023. Seu passaporte foi apreendido pela Polícia Federal (PF), em fevereiro, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, durante a operação Tempus Veritatis (Hora da Verdade).


Segundo a investigação da PF, quando ainda era presidente da República, Jair Bolsonaro discutiu com militares uma minuta de golpe de Estado - para impedir a posse do presidente Lula (PT) -, em que previa prender Moraes, o também ministro do STF Gilmar Mendes e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.


Além disso, a minuta previa a realização de novas eleições presidenciais, usando, como justificativa, falsos indícios de fraudes nas urnas eletrônicas.


O ex-presidente voltou a se defender em relação à chamada minuta do golpe, embora depoimentos de ex-comandantes militares à Polícia Federal o tenham implicado na trama golpista.


“Nunca jogamos fora das quatro linhas. Alguém já viu essa minuta de golpe? Quando se fala em estado de sítio, é uma proposta que o presidente, dentro de suas atribuições constitucionais, pode submeter ao parlamento brasileiro. O presidente não baixa decreto nenhum. Só baixa decreto depois que o parlamento der o sinal verde”, disse Bolsonaro neste domingo.


Bolsonaro também defendeu os manifestantes presos - que agiram como terroristas e golpistas - durante os atos de 8 de janeiro, quando centenas de pessoas invadiram e vandalizaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).


O ex-presidente não mencionou sua estadia de dois dias na embaixada da Hungria em Brasília, revelada pelo jornal The New York Times.


Bolsonaro teria ficado dentro da missão diplomática durante o Carnaval para fugir de uma possível ordem de prisão, por tratar-se de prédio protegido pelas convenções diplomáticas.


Ele voltou a falar sobre o processo eleitoral, desta vez, sem atacar as urnas eletrônicas nem duvidar do resultado da eleição presidencial de 2022. “Que nós possamos disputar as eleições sem qualquer suspeição. Afinal de contas, a alma da democracia é uma eleição limpa, onde ninguém pode sequer pensar em duvidar dela. Não estou duvidando das eleições, página virada.”


Com informações da Agência Brasil

Comentarios


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page