Bolsonaro rechaça medidas de restrições contra nova variante

Atualizado: 27 de nov. de 2021


(Foto: Isac Nóbrega/PR)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, nesta sexta-feira (26), uma nota técnica recomendando que o governo Jair Bolsonaro adote medidas de restrições para voos e viajantes originários de parte da África, em função da identificação de uma nova variante do SARS-CoV-2, possivelmente resistente a vacinas. Batizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de Omicron e classificada como uma "Variante de Preocupação", por oferecer mais riscos à saúde pública, a nova cepa do coronavírus foi identificada pela primeira vez na África do Sul, mas já chegou a Israel, Bélgica e Hong Kong, provocando inclusive queda nas bolsas de valores no mundo todo.

Após ser comunicado pela Anvisa, o presidente Jair Bolsonaro rechaçou a possibilidade de adoção de um lockdown ou fechamento das fronteiras diante na nova cepa. "O Brasil não aguenta mais um lockdown", reagiu Bolsonaro. "O lockdown não foi uma medida apropriada", afirmou, acrescentando ainda que "em consequência da política do 'fique em casa e a economia a gente vê depois', a gente está vendo agora. Problemas estamos tendo".

Em entrevista à GloboNews, Barra Torres reforçou a necessidade de preocupação e de correr contra o tempo para adotar medidas de prevenção.

"É uma variante que possui características mais agressivas e que, obviamente, requer das autoridades sanitárias mundiais medidas imediatas. É exatamente o que fizemos há poucos minutos. Já enviamos nossas notas técnicas para os ministérios da Casa Civil, Saúde, Infraestrutura e Justiça no sentido que voos vindos desses países, são países localizados no sul do continente africano, sejam temporariamente bloqueados, não venham para o Brasil", disse o diretor da Anvisa.

Ainda segundo ele, nenhuma medida restritiva contra o coronavírus é totalmente eficaz, mas o governo precisa adotar medidas neste sentido para evitar novas ondas da Covid-19.

"A prevenção deve ser feita agora. Quando se perde o tempo de prevenção, entramos no tratamento. Tratamento é aquilo que já vimos: são UTIs lotadas, famílias sendo ceifadas. Não há sentido em aguardar esse tipo de coisa”, afirmou Barra Torres.

O Ministério da Saúde emitiu um alerta de risco para as secretarias de Saúde sobre a nova variante. Segundo o documento, até esta sexta-feira não foi encontrado nenhum caso de covid-19 no Brasil causado por essa cepa.

À noite, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), anunciou que, seguindo recomendação da Anvisa, serão proibidos voos vindos de seis países da África a partir de segunda-feira (29).

"O Brasil fechará as fronteiras aéreas para seis países da África em virtude da nova variante do coronavírus. Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia naquele país. Portaria será publicada amanhã e deverá vigorar a partir de segunda-feira. A decisão foi tomada em conjunto e será assinada pela Casa Civil, pelo Ministério da Infraestrutura, Ministério da Saúde e Ministério da Justiça. A restrição atingirá os passageiros oriundos de: África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue", explicou o ministro pelo Twitter.

Lula critica postura de Bolsonaro

Em sua conta em uma rede social, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva criticou a postura de Bolsonaro na pandemia e diante da nova variante.

"Bolsonaro segue sendo o maior aliado do coronavírus. No começo da pandemia impediu o governo do Ceará de fechar fronteiras para se proteger da chegada da doença. Agora não quer exigir vacinação e testes de turistas estrangeiros, como o mundo inteiro tem feito", disse Lula.

Mais contagiosa

A variante foi identificada pela primeira vez na África do Sul e tem causado preocupação junto às autoridades de saúde mundiais em função da sua capacidade de mutação, que já ultrapassa o número de 50 variantes, e pela incerteza da eficácia das vacinas contra a nova cepa.

Cientistas supõem que a variante seja mais contagiosa porque, de acordo com dados preliminares, ela aumentou rapidamente e já pode estar presente em oito províncias do país. Segundo a Organização Mundial de Saúde, as infecções aumentaram abruptamente nas últimas semanas na África do Sul, coincidindo com a detecção da Omicron, que, segundo o grupo técnico da OMS, tem taxas mais rápidas do que picos anteriores de infecção, indicando que pode causar mais danos que a versão original do coronavírus.

Queda nas Bolsas

As ações da bolsa de valores de São Paulo fecharam em forte queda nesta sexta-feira, acompanhando o nervosismo no mercado internacional com a descoberta da nova variante do coronavírus. As principais bolsas internacionais também registraram forte queda, e os preços do barril de petróleo despencaram mais de 10%.

Ganhe_Ate_300x250px.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
Aumentou_728x90px.gif