728x90_2.gif

Boulos vira réu por invasão ao triplex do Guarujá


Guilherme Boulos é acusado de invasão ao chamado "triplex do Guarujá", atribuído ao ex-presidente Lula (Divulgação)

A juíza Lisa Taubemblatt, da 6ª Vara Federal de Santos (SP), aceitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Guilherme Boulos (PSOL) no caso da invasão pelo MTST ao chamado "triplex do Guarujá", atribuído ao ex-presidente Lula. A juíza estabeleceu um prazo de 10 dias para ele se manifestar por escrito. Boulos reagiu dizendo que a acusação "é a nova farsa do tríplex".

O político e coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) e outros dois membros do movimento se tornaram réus na denúncia.

Em seu despacho, publicado na quinta-feira (25), a magistrada afirma que a acusação do MPF "veio acompanhada de peças informativas que demonstram a existência de justa causa para a persecução penal".

O MPF registrou que os três teriam cometido o crime de "destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de terceiro por determinação judicial ou convenção".

A pena prevista é de seis meses a dois anos de prisão, além de multa.

Guilherme Boulos se manifestou através de uma nota divulgada pela assessoria de imprensa e ainda em sua conta em rede social.

“A decisão de agora mostra, mais uma vez, a Justiça Federal sendo conivente com as atrocidades promovidas no âmbito da Lava Jato, que estão novamente em evidência com a divulgação de novas conversas comprometedoras entre procuradores”, disse, em nota.

Em seu perfil no Twitter, Boulos voltou a se manifestar sobre a decisão, dizendo que a ocupação teve papel simbólico e que a aceitação da denúncia é “perseguição política”.

"Em abril de 2018, manifestantes do MTST e da Frente Povo Sem Medo ocuparam simbolicamente o Triplex do Guarujá para denunciar a farsa da condenação do ex-presidente Lula", escreveu, prosseguindo: "A ocupação revelou pela primeira vez imagens do interior do imóvel, demonstrando que era completamente exagerada a narrativa a respeito das condições do triplex. A ação teve um papel simbólico. Apesar de todas as características de uma manifestação, o MP apresentou denúncia por invasão. Ontem a Justiça Federal aceitou a denúncia contra mim e mais 2 militantes do MTST. É um evidente caso de perseguição política, sem nenhuma base material. Não vão nos intimidar!". E ainda concluiu, dizendo que a acusação do MPF "é a nova farsa do triplex".

Sua defesa também se pronunciou, afirmando que ele não praticou nenhum crime.

"Há certeza de que Boulos não praticou nenhum crime e também convicção da inocência dos militantes do MTST, já expressa na recusa, por reiteradas vezes, de ofertas de acordo do Ministério Público e no pedido de julgamento antecipado do caso - que não foi atendido", disseram os advogados, citado pelo UOL.


Veja a seguir o vídeo que o MTST fez durante a ocupação. As imagens mostram que a narrativa produzida pelo então juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato sobre o triplex não corresponde à realidade.