Brasil atropela Coreia e pega EUA na final do vôlei feminino


(Foto: Gaspar Nóbrega/COB)

A seleção brasileira de vôlei feminino atropelou a Coreia do Sul por 3 sets a 0, parciais de 25/16, 25/16 e 25/16, nesta sexta-feira (6), e se classificou para a disputa da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio contra os Estados Unidos, na madrugada de domingo, à 1h30 (horário de Brasília).

Campeão olímpico em Pequim 2008 e Londres 2012, o vôlei feminino do Brasil está de volta a uma final de Jogos após decepcionar na Rio 2016, quando foi eliminado nas quartas de final pela China.

Diante da Coreia do Sul, adversária que havia derrotado por 3 a 0 na estreia em Tóquio, a equipe brasileira fez outra partida muito boa coletivamente, e com destaques individuais como Fernanda Garay, Gabi, Macris e Rosamaria.

Pouco antes do jogo, o Brasil perdeu a oposta Tandara, que foi retirada da Olimpíada após notificação de suposta violação de regra antidoping, de acordo com o Comitê Olímpico do Brasil. Rosamaria, que a substituiu no time titular, fez 10 pontos. A maior pontuadora da partida foi Fernanda Garay, com 17.

Segundo o técnico José Roberto Guimarães não foi fácil para a equipe conviver com o corte da atleta horas antes da partida. A notícia também caiu como uma bomba para as jogadoras.

"Foi tenso. Eu só pedi para papai do céu me iluminar, porque é um baque. Disse que era uma coisa complicada que tínhamos conversar, todas me olharam sem acreditar. "Aconteceu, mas nós temos uma causa, temos um jogo para ganhar e tentar realizar nosso sonho", contou o treinador após a partida.

O técnico relembrou a cena que protagonizou com o neto após a eliminação nas quartas de final do Rio 2016 para as chinesas.

“Aquilo que vem à minha cabeça é a minha imagem sentado e o Felipe do meu lado e eu tentando explicar para ele que a gente tinha perdido, mas que a gente ia treinar para voltar a ganhar. E que elas haviam sido melhores naquele momento. Eu não imaginava que teríamos uma outra oportunidade como essa. Parece tão distante, é jogo a jogo, passe a passe, planejamento, joga aqui, joga lá, tantos atenuantes que acontecem. E quando você realiza essa proeza, é uma sensação inigualável, de um prazer, de uma satisfação de estar representando meu país. Imagino as pessoas falando no Brasil, comentando e torcendo pela seleção. Meu coração está em festa. Estou radiante”, disse José Roberto Guimarães.

A vitória garantiu também, de quebra, um recorde brasileiro na história dos Jogos Olímpicos: o maior número de medalhas conquistadas em uma única edição do evento. Serão ao menos 20, superando as 19 do Rio 2016. Isto porque, além das 16 que já foram contabilizadas no quadro de medalhas e da final do vôlei feminino, o país já está classificado para outras três decisões: futebol masculino (Brasil x Espanha) e boxe (Beatriz Ferreira e Hebert Conceição).

Mais cedo, a seleção dos Estados Unidos se classificou para a final depois de vencer a Sérvia, que conquistou a medalha de prata no Rio. O ouro ficou com a China há cinco anos.

Os EUA, medalhistas de bronze em 2016, avançaram para a decisão de domingo com uma vitória por 25/19, 25/15 e 25/23 sobre a atual campeã mundial na Ariake Arena.

A oposta norte-americana Andrea Drews marcou 17 pontos, enquanto Jordan Larson fez 15. Jordan Thompson permaneceu no banco devido a uma lesão no tornozelo.

Os Estados Unidos conquistaram três medalhas de prata e duas de bronze no vôlei feminino, mas nunca a de ouro.


Com informações do COB

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif