top of page

Brasil participa de Fórum Econômico na Rússia

O Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF) começou no último dia 13 de junho, no ExpoForum Convention and Exhibition Center, na segunda maior cidade da Rússia, e segue até sábado (17/6) reunindo milhares de representantes empresariais. O presidente russo, Vladimir Putin, participará da sessão plenária do fórum na sexta-feira (16/6). Representantes de alto escalão da Índia, Catar, Paquistão, Venezuela, Hungria, Mianmar, Nicarágua e Emirados Árabes Unidos (EAU) também estão presentes no evento.

Foto: Agência Brasil-China

O primeiro-ministro cubano Manuel Marrero Cruz e o presidente da Republika Srpska Milorad Dodik estão entre os convidados de alto escalão. Outros convidados importantes esperados incluem o ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, e o ministro de Investimentos e Relações Econômicas de Mianmar, Kan Zaw. O vice-ministro do Comércio e Indústria do Catar, Sultan bin Rashid Al-Khater, deverá chefiar a delegação de seu país.


No fórum deste ano, o status privilegiado de 'país convidado' será usufruído pelos Emirados Árabes Unidos, com o ministro da Economia, Abdulla Bin Touq Al Marri, liderando a delegação.


O tema principal será o desenvolvimento soberano como base para um mundo justo e incluirá discussões relacionadas à economia mundial em um ponto de inflexão global, construindo soberania tecnológica, protegendo a população e a qualidade de vida, além de responder a novos desafios do mercado de trabalho.


Um dos assuntos de relevância será o apoio e implementação de vários projetos de investimento. A segurança farmacêutica, o desenvolvimento do Ártico, as indústrias criativas e a tecnologia digital também serão discutidas.


O fórum incluirá diálogos comerciais entre Rússia e Brasil, China, Emirados Árabes Unidos e América Latina. Serão discutidas as perspectivas de cooperação econômica entre os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO, na sigla em inglês). Outros eventos incluirão o diálogo comercial entre a União Econômica da Eurásia e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (EAEU-ASEAN).


A modernização dos sistemas nacionais de saúde após a pandemia e outras melhorias de saúde e tecnologias médicas também serão abordadas.


O Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo é realizado desde 1997 e, desde 2006, é realizado sob o patrocínio e com a participação do Presidente da Federação Russa. Em 2020, o fórum foi cancelado por causa da pandemia do coronavírus.

Reunião do Conselho Empresarial Rússia-Brasil no formato de diálogo empresarial / Foto: Anatoly Medved / Agência Sputnik

Rússia e Brasil definem novas metas ambiciosas


Desde 2010, o Brasil mantém firmemente sua posição como parceiro comercial número um da Rússia na América Latina. Em 2022, ano de novos desafios para toda a comunidade mundial, os indicadores do comércio russo-brasileiro aumentaram em 13%. Isso se tornou possível graças ao desejo recíproco dos meios empresariais e políticos de ambos os países de manter e desenvolver a parceria estratégica entre a Rússia e o Brasil, e de responder conjuntamente aos novos desafios.


No âmbito da reunião do Conselho Empresarial Rússia-Brasil no formato de diálogo empresarial, representantes de empresas e instituições públicas de ambos os países debateram as questões da cooperação em várias esferas, incluindo o complexo agroindustrial, a área farmacêutica, energética e bancária.


Durante a seção aberta da reunião, as partes envolvidas trocaram pontos de vista sobre uma cooperação mais estreita entre os países, que, nas condições de sanções coletivas dos países ocidentais, só expandiu as oportunidades para a troca de mercadorias.


Como afirmou o presidente da Associação Russa de Fabricantes de Fertilizantes, Andrei Guriev, a situação com sanções, que atualmente são implantadas contra a Rússia e os negócios russos, "ajudará a resolver muitos problemas, em termos de encontrar uma nova alternativa para as importações da Rússia".


Ele acrescentou que isso poderia ser um avanço para o desenvolvimento das relações bilaterais.


Por sua vez, representantes das empresas brasileiras na Rússia observaram que estão prontos para desenvolver atividades comerciais e atender a todos os requisitos do mercado russo. Eles também esperam total compreensão do lado russo e assistência em questões burocráticas para que as partes envolvidas possam trabalhar e obter o resultado desejado.


Por exemplo, em 2022, o volume de negócios atingiu níveis recordes, que aumentaram 31%, de 2021, atingindo US$ 9,8 bilhões (R$ 47,47 bilhões). Como Guriev observou, isso foi possível graças ao "desejo combinado de nossos círculos empresariais e políticos" de desenvolver e apoiar interesses comuns russo-brasileiros.


Observaram-se também algumas dificuldades que afetaram o volume de negócios em 2023. As duas principais razões são o cálculo mútuo e as dificuldades logísticas. As partes, durante a reunião, concordaram em encontrar "ferramentas" para criar um sistema confortável para o trabalho e desenvolvimento do setor empresarial dos dois países.


*Com informações da Agência Sputnik

Σχόλια


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page