top of page

Brittney Griner é solta após troca de prisioneiros Rússia e EUA


(Divulgação)

Quase dez meses após ter sido presa na Rússia por porte ilegal de drogas, a bicampeã olímpica de basquete Brittney Griner foi solta nesta quinta-feira (17).


A jogadora foi detida em 17 de fevereiro deste ano no aeroporto Sheremetyevo, em Moscou, com cartuchos de vaporizador com óleo de cannabis na bagagem. A substância é considerada ilegal na Rússia para fins medicinais e recreativos. A detenção de Griner ocorreu logo após a invasão militar russa na Ucrânia. Durante o julgamento, a atleta se declarou culpada, embora tenha garantido que não tinha intenção de cometer nenhum crime. Em agosto, ela foi condenada a nove anos de prisão, e teve recurso contra a sentença negado em outubro.


O Ministério das Relações Exteriores da Rússia anunciou que o cidadão russo Viktor But voltou ao país como parte de uma troca de prisioneiros pela jogadora de basquete americana.


O Itamaraty informou que a troca de But, que cumpria pena de 25 anos de prisão por tráfico de armas nos Estados Unidos, foi realizada no aeroporto de Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos). O avião que transportava Viktor But vai pousar no aeroporto de Vnukovo, em Moscou.


"Washington se recusou categoricamente a discutir a inclusão do cidadão russo no plano de intercâmbio. No entanto, a Federação Russa continuou a trabalhar ativamente para a libertação de nosso compatriota", diz o comunicado oficial.


Por sua vez, as autoridades dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita especificaram em comunicado conjunto que Griner chegou a Abu Dhabi em um 'jato' particular após ser libertado pela Rússia.


Enquanto isso, a Casa Branca informou que o presidente Joe Biden já conversou por telefone com Griner, que foi condenada em agosto na Rússia a 9 anos de prisão por contrabando de óleo de cannabis e já está a caminho de solo americano. "Ela está seguro. Ela está em um avião. Ela está a caminho de casa", tuitou Biden.


Em uma mensagem após a divulgação da notícia, Biden garantiu que Washington continuará com as negociações de boa fé para libertar Paul Whelan, um ex-fuzileiro naval condenado na Rússia por espionagem. O ex-soldado, detido no final de dezembro de 2018 pelo Serviço de Segurança da Rússia, foi condenado em 2020 a 16 anos de prisão numa colônia penal de segurança máxima pelo crime imputado.


Por sua vez, Maria Butina, que cumpriu pena nos EUA sob a acusação de espionagem para Moscou e depois voltou para a Rússia, comemorou a libertação de But após falar com sua esposa. "Estou extremamente feliz, graças a Deus essa troca aconteceu. Acabei de falar com a Ala [Mas], ela se sente bem, ela é uma heroína, ela é uma esposa que se manteve fiel ao marido todos esses anos. Ela é um modelo para todos nós, nada mais faço senão parabenizar esta família, estou feliz, meu coração canta. Não abandonamos os nossos", disse em declarações ao canal Zvezdá.


O empresário Víktor But foi preso na Tailândia em 2008. Dois anos depois, foi extraditado para os Estados Unidos e acusado de tentar vender um carregamento de armas a um grupo terrorista colombiano. Um tribunal federal condenou o russo a 25 anos de prisão em 2012, mas se declarou inocente. Da mesma forma, de Washington eles repetidamente rejeitaram o pedido de Moscou para deportá-lo.


Quem é Viktor But?

Washington começou a investigar as atividades do empresário russo no final dos anos 1990.


Em 6 de março de 2008, But foi preso em Bangkok (Tailândia) por agentes dos serviços especiais dos Estados Unidos. Segundo as autoridades do país norte-americano, But tinha planos de vender mísseis terra-ar às FARC colombianas que posteriormente poderiam ser usado contra os militares dos EUA. Em 6 de maio, os EUA apresentaram oficialmente acusações contra ele por tráfico ilícito de armas, conspiração para assassinar cidadãos americanos e fornecimento de apoio material a terroristas.

O empresário russo Viktor But foi preso na Tailândia (Divulgação)

Inicialmente, o tribunal tailandês rejeitou o pedido de Washington para extraditar But, considerando que as acusações contra ele não foram provadas e que o caso tinha motivação política.


No entanto, Mas não saiu da prisão, já que o Ministério Público local recorreu da decisão judicial. Em 18 de fevereiro de 2010, a Procuradoria-Geral de Nova York apresentou novas acusações contra ele, incluindo fraude, lavagem de dinheiro e violação de sanções internacionais que proíbem a transferência de armas para pontos críticos. Em 20 de agosto do mesmo ano, o tribunal de apelações do país asiático resolveu extraditar But, que posteriormente foi confinado em uma prisão de Nova York. Durante as audiências preliminares, os advogados do empresário russo exigiram o arquivamento do caso, alegando que não estava sujeito à jurisdição dos Estados Unidos.


Em outubro de 2011, teve início um julgamento contra ele em Nova York, durante o qual os serviços de inteligência admitiram que sua prisão foi resultado de uma "operação de dublê". No entanto, um ex-sócio de But confirmou que pretendia fornecer armas aos guerrilheiros colombianos.


Um júri considerou But culpado em todas as quatro acusações. Sua sentença final de 25 anos foi anunciada pelo tribunal federal de Nova York em 5 de abril de 2012.


Com a Agência RT

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page