728x90_2.gif

Carminha Jerominho é alvo de operação contra milicianos


A ex-vereadora Carminha Jerominho foi um dos alvos nesta quinta-feira (25) da Operação Cegueira Deliberada, desencadeada pela Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas do Rio de Janeiro para cumprir 26 mandados de busca e apreensão contra receptadores de cargas de objetos eletrônicos, principalmente aparelhos de celular, avaliadas em R$ 3,2 milhões. Ela foi detida em condomínio de luxo onde mora, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio.

Carminha Jerominho é filha de Jerônimo Guimarães, o Jerominho, apontado como líder de uma das maiores milícias do estado. Segundo os investigadores, ela é uma das 17 pessoas detidas identificadas com celulares da carga roubada no Aeroporto do Galeão. Ela só foi localizada na casa de uma vizinha, e não foi presa em flagrante por não estar com os aparelhos. No entanto, foi detida para prestar depoimento.

Dois policiais militares, um do 9ºBPM (Rocha Miranda) e outro do 22ºBPM (Maré), foram conduzidos pela Corregedoria da Polícia Militar para prestar esclarecimentos. Três donos de lojas foram presos por receptação qualificada. Cerca de 250 aparelhos foram recuperados.

Segundo a Polícia Civil, o material roubado era destinado a áreas controladas pela milícia. Contra a ex-vereadora existe a suspeita de ter adquirido dois dos celulares roubados em loja, em Ipanema.

De acordo com as investigações, houve participação de milicianos em roubos de cargas de celulares. Um deles foi realizado no terminal de cargas do Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Galeão, em março do ano passado. Na ação, um grupo levou uma quantidade de aparelhos telefônicos avaliada em R$ 3,2 milhões. Em outro assalto, em Ipanema, os bandidos levaram mais de R$ 120 mil em celulares de uma loja.

Ainda nas apurações, os agentes descobriram que parte dos telefones foi destinada a áreas comandadas pela milícia e revendida a moradores de Campo Grande, Sepetiba, Paciência, Curicica, Tanque, Rio das Pedras, na zona oeste, e Itaguaí, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Em 2008 Carminha Jerominho estava presa quando foi eleita vereadora, mas teve o mandato cassado no ano seguinte.

1/3