Casagrande esperava mais do manifesto da Seleção


Walter Casagrande, comentarista e ex-jogador: 'fora de contexto' (Reprodução)

Logo após a vitória da Seleção Brasileira por 2 a 0 sobre o Paraguai pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, na noite de terça-feira, o capitão Casemiro, conforme havia prometido, divulgou uma manifesto com a posição dos jogadores sobre a realização da Copa América no Brasil. Embora no texto os jogadores tenham explicitado sua insatisfação com o "processo inadequado em sua realização", houve quem achou o manifesto descontextualizado. Caso do comentarista Walter Casagrande, ex-jogador e integrante da famosa "Democracia Corinthiana" na década de 1980 ao lado de outros atletas politizados, como Sócrates, Wladimir e Zenon. "Casão", como também é conhecido, disse que esperava uma ação mais impactante dos jogadores comandados pelo técnico Tite.

"Das pessoas que são contra a Copa América ser realizada aqui por causa da pandemia, no meu caso, nunca pensei que eles se negaram a jogar com a camisa da Seleção Brasileira, não é esse o contexto. O contexto é o número de contaminações e mortes, que é gigantesco, falta de vacina", afirmou Casagrande após a partida.

Outro comentarista renomado, José Trajano foi ainda mais contundente em seu comentário no UOL Esporte, mostrando-se indignado com o teor do manifesto divulgado.

"É inacreditável. Isso aí foi pior do que a encomenda. Esse manifesto é uma vergonha. Não são contra a CBF e nem contra o Caboclo. Não se importaram com as quase 500 mil mortes no país. Não tem uma palavra de solidariedade às famílias dos mortos", criticou Trajano.


Leia na íntegra o manifesto dos jogadores da Seleção Brasileira.

"Quando nasce um brasileiro, nasce um torcedor. E para os mais de 200 milhões de torcedores escrevemos essa carta para expor nossa opinião quanto a realização da Copa América.

Somos um grupo coeso, porém com ideias distintas. Por diversas razões, sejam elas humanitárias ou de cunho profissional, estamos insatisfeitos com a condução da Copa América pela Conmebol, fosse ela sediada tardiamente no Chile ou mesmo no Brasil.

Todos os fatos recentes nos levam a acreditar em um processo inadequado em sua realização.

É importante frisar que em nenhum momento quisemos tornar essa discussão política. Somos conscientes da importância da nossa posição, acompanhamos o que é veiculado pela e mídia estamos presentes nas redes sociais. Nos manifestamos, também, para evitar que mais notícias falsas envolvendo nossos nomes circulem à revelia dos fatos verdadeiros.

Por fim, lembramos que somos trabalhadores, profissionais do futebol. Temos uma missão a cumprir com a histórica camisa verde amarela pentacampeã do mundo. Somos contra a organização da Copa América, mas nunca diremos não à Seleção Brasileira."

Convocação para a Copa América

Nesta quarta-feira, o técnico Tite anunciou a lista dos 24 jogadores convocados para a Copa América, que começará no domingo (13). A seleção estreia contra a Venezuela, no Mané Garrincha (DF). Os jogos seguintes da primeira fase: Peru, no Nilton Santos (RJ), no dia 17; Colômbia, no mesmo local, dia 23; e Equador, no Olímpico (GO), dia 27. A final será no Maracanã, em 7 de julho.


Confira a lista convocados:

Goleiros: Alisson (Liverpool), Ederson (Manchester City) e Weverton (Palmeiras)

Zagueiros: Eder Militão (Real Madrid), Felipe (Atlético de Madrid), Marquinhos (PSG) e Thiago Silva (Chelsea)

Laterais: Alex Sandro (Juventus), Danilo (Juventus), Emerson (Real Betis) e Renan Lodi (Atlético de Madrid)

Meio-campistas: Casemiro (Real Madrid), Douglas Luiz (Aston Villa), Fred (Manchester United), Fabinho (Liverpool), Lucas Paquetá (Lyon) e Everton Ribeiro (Flamengo)

Atacantes: Everton Cebolinha (Benfica), Gabigol (Flamengo), Gabriel Jesus (Manchester City), Neymar (PSG), Richarlison (Everton), Roberto Firmino (Liverpool) e Vinicius Junior (Real Madrid).

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg