Cedae é leiloada com protesto e ovo na comitiva de Bolsonaro


(Foto: David Costa/Sputnik)

O leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) arrecadou nesta sexta-feira (30) R$ 22,6 bilhões com a venda de três dos quatro blocos ofertados, superando a expectativa inicial de R$ 10,6 bilhões. Nem tudo foram flores para os defensores da privatização da empresa mais rentável do estado. O presidente Jair Bolsonaro e sua comitiva foram recebidos com protestos ao chegarem ao prédio da Bolsa paulista para acompanhar o leilão. Além do governador em exercício do Rio, Cláudio Castro (PSC), acompanhavam Bolsonaro um grupo de deputados e os ministros da Economia, Paulo Guedes, do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos. Ovos foram arremessados no momento em que os deputados federais Hélio Lopes (PSL-RJ) e Carla Zambelli (PSL-SP), que fizeram parte da comitiva, entravam no prédio. Outros membros da comitiva tiveram de correr para não serem atingidos.

No protesto, os manifestantes portavam cartazes com os dizeres "400 mil mortos" e "Bolsonaro Genocida", em referência aos mortos pela Covid-19 no País.

Com aproximadamente uma hora e meia de leilão, os três blocos de maior valor já haviam sido arrematados.

Os blocos foram leiloados separadamente, cada um com valor mínimo de outorga. O Bloco 1 era o mais caro, pois inclui 18 bairros da Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro e outros 18 municípios do estado. O Bloco 2, por sua vez, contempla 20 bairros da Zona Oeste da capital fluminense e outros dois municípios, enquanto o Bloco 3 engloba 22 bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro e seis municípios e o Bloco 4 conta com 106 bairros do Centro e da Zona Norte da capital, além de outras sete cidades.

O Bloco 1 foi arrematado pelo Consórcio Aegea pelo valor de R$ 8,2 bilhões, o que representa um ágio de 103,13%. Já o Bloco 2 ficou com o Consórcio Iguá, que ofertou R$ 7,286 bilhões (ágio de 129,68%), enquanto o Bloco 4 também ficará com o Consórcio Aegea, que desembolsará R$ 7,203 bilhões, com ágio 187,75%.

O Bloco 3 foi o único a não ser vendido, pois a Aegea retirou sua oferta antes da abertura do pregão após conseguir a concessão do Bloco 4.


Com informações da Sputnik

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif