Chanceler brasileiro: Rússia é parceiro 'estratégico e confiável'


(Foto: Alan Santos/PR)

Em Nova York, nos EUA, o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Carlos França, disse que Brasil comprará "tanto quanto formos capazes", referindo-se principalmente à importação de óleo diesel da Rússia.

Após participar de uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU), o chanceler brasileiro respondeu a diversas perguntas sobre o recente acordo assinado entre Brasil e Rússia para compra de diesel. Para alguns especialistas, o Brasil corre o risco de trocar uma crise energética por uma crise econômica internacional, uma vez que há o risco de o país se tornar alvo de sanções, caso seja provado que há outros mercados com produto disponível.

Questionado se o Brasil estaria financiando o conflito no leste europeu, Carlos França foi enfático: "Talvez você devesse perguntar ao sr. Scholz [Olaf Scholz, primeiro ministro da Alemanha] sobre isso, e então eu respondo.

De acordo com informações do jornal O Globo, o ministro das Relações Exteriores afirmou que a Rússia é um parceiro estratégico e confiável do Brasil, e por essa razão o governo brasileiro comprará óleo diesel dos russos.

"A Rússia é um parceiro estratégico do Brasil. Somos parceiros do BRICS", disse ele, acrescentando em seguida que "teremos diesel suficiente para o agronegócio brasileiro e, claro, para os motoristas brasileiros. É por isso que estamos procurando fornecedores de diesel seguros e muito confiáveis, e a Rússia é um deles".

Carlos França enfatizou que o Brasil não depende apenas de diesel, mas também de fertilizantes da Rússia e de Belarus.

O chanceler lembrou que os russos são grandes fornecedores de petróleo e gás: "Você pode perguntar à Alemanha sobre isso, você pode perguntar à Europa sobre isso. No Brasil, estamos com falta de diesel", disse ele.

Estoque para apenas 50 dias

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, disse, também nesta terça-feira (12), que o Brasil tem estoques de diesel para 50 dias apenas sem a necessidade de importação. De acordo com o ministro, até segunda-feira (11) o país somava 1,6 milhão de metros cúbicos de estoques de diesel A S-10 (sem adição de biodiesel).

"Se acontecer alguma coisa no mundo e não se puder importar mais petróleo, o Brasil tem 50 dias de diesel sem precisar importar petróleo", afirmou o ministro durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para tratar do preço dos combustíveis.


Com informações da Sputnik

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif