China rejeita pedidos de expulsão da Rússia do G20


Wang Yi, ministro das Relações exteriores da China: 'Ninguém pode dividir o G20' (Foto: Sputnik)

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, rejeitou os pedidos para que a Rússia seja expulsa do Grupo dos 20, dizendo que o bloco não deve ser dividido.

"Ninguém tem o poder de dividir o G20", disse Wang em uma reunião com o homólogo indonésio, Retno Marsudi, nesta quinta-feira (31), de acordo com o Ministério das Relações Exteriores da China.

Atualmente, a Indonésia detém a presidência rotativa do G20 que, segundo Wang, "não deve ser politizado" por se tratar de um fórum fundamental para a coordenação de políticas macroeconômicas e cooperação entre as maiores economias do mundo.

Depois que o chanceler alemão Olaf Scholz sugeriu que a Rússia fosse expulsa do grupo, o que exigiria consenso por unanimidade de todos os Estados-membros, Wang voltou a criticar as sanções ocidentais contra Moscou.

A cúpula do G20 deste ano será realizada em Bali, na Indonésia, em outubro. O presidente russo, Vladimir Putin, supostamente ainda quer participar, mas isso pode fazer com que outros líderes boicotem o evento.

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que os EUA não acreditam que possa ser "business as usual" (negócios como de costume) para a Rússia em organizações internacionais como o G20 após a crise estabelecida na Ucrânia.

Durante as conversas de quinta-feira (31), Wang disse que a China "apoia firmemente" a cúpula de Bali e o fortalecimento da cooperação no G20.

Na quarta-feira (30), Wang esteve com seu colega russo Sergei Lavrov e afirmou que Pequim apoia a continuação das negociações de paz entre a Rússia e Ucrânia. De acordo com o South China Morning Post, Wang e Lavrov tiveram uma "troca completa de pontos de vista sobre a situação na Ucrânia" e atacaram as sanções ocidentais.


Fonte: Agência Sputnik

300x250px.gif
728x90px.gif