Cientista alerta para o envelhecimento precoce após Covid


(Foto: Rosa Novena/Agência Brasil)

O envelhecimento prematuro pode ser uma das consequências da Covid-19, mesmo depois de uma forma leve da doença.

A professora Ancha Baranova, da Escola de Biologia Sistemática da Universidade George Mason, alertou em entrevista à Sputnik para a possibilidade de envelhecimento prematuro entre pacientes com coronavírus.

A cientista chamou atenção para os resultados da pesquisa de um grupo de médicos que estudou o estado de pacientes que tiveram Covid-19 nas formas leve e moderada.

"Até entre as pessoas que tiveram doença em forma muito leve, 70% delas tiveram patologias de alguns órgãos internos. Mas a patologia principal não era cardíaca, mas principalmente esteatose hepática [afeta o fígado] e degenerações gordurosas do tecido pancreático", explicou Baranova.

Normalmente, as pessoas de 60 anos têm estas diagnoses, no entanto, as pessoas recuperadas da Covid-19 têm esses problemas já na idade de 40 anos.

A cientista concluiu que o coronavírus "pega recursos e aproxima a velhice". As consequências da doença devem ser estudadas mais detalhadamente, acrescentou.

"É preciso começar estudos de coorte longos de doentes recuperados do coronavírus e estudá-los detalhadamente: fazer análises, por mais de uma vez, ver o que está passando", acrescentou Baranova.

A cientista destacou que já começaram a ser realizadas tentativas deste tipo de estudos.


Fonte: Agência Sputnik

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg