Cinemateca: ABI e Fernanda Montenegro culpam governo


(Reprodução)

A Associação Brasileira de Imprensa, ABI, acusou o governo do presidente Jair Bolsonaro por "inação", que resultou no incêndio que destruiu o galpão da Cinemateca Brasileira e comprometeu mais de 500 obras, na quinta-feira (30), em São Paulo. A entidade se manifestou denunciando que foram feitos diversos alertas por profissionais da cultura sobre os riscos que a Cinemateca vinha correndo com o descaso em matéria de conservação.

“Há um ano, os dirigentes da área cultural do governo Bolsonaro vinham sendo avisados sobre o risco de uma tragédia no galpão da Cinemateca Brasileira, na Vila Leopoldina, em São Paulo, o maior centro audiovisual da América do Sul, fechado desde 2020”, afirma a nota assinada pelo presidente da ABI, Paulo Jeronimo de Sousa.

“A ABI protesta contra o descaso e inação das autoridades bolsonaristas da área cultural, que não providenciaram as medidas de proteção à Cinemateca, resultando na queima do acervo do Cinejornal, único e sem cópia”, lamenta.

A ABI pede que o Ministério Público Federal (MPF) atue para responsabilizar judicialmente os envolvidos neste “crime contra a cultura nacional”.

Fernanda Montenegro: 'um cala boca'

Ícone da dramaturgia nacional, Fernanda Montenegro se somou ao coro de artistas que vêm denunciando o descaso do governo Bolsonaro com a cultura nacional e, em especial, com a Cinemateca Brasileira, que é vinculada à Secretaria de Cultura do governo federal, comandada por Mário Frias. Em seus galpões, o órgão armazena mais de 250 mil rolos de filmes e um milhão de documentos.

“O incêndio na Cinemateca em São Paulo é uma tragédia anunciada. Toda a nossa cultura das artes sofre um cala boca”, disse a primeira-dama do teatro, consagrada pela atuação por mais de sete décadas no rádio, no teatro, no cinema e na televisão.

“Mas vamos renascer, tenho certeza. Nós temos certeza. Das cinzas, vamos renascer. É segredo o eterno retorno, das artes, então? Um país não existe sem cultura ligada às artes”, destacou a atriz.



Confira a nota da ABI na íntegra:

"Inação do governo Bolsonaro resulta em incêndio da Cinemateca Brasileira

Há um ano, os dirigentes da área cultural do governo Bolsonaro vinham sendo avisados sobre o risco de uma tragédia no galpão da Cinemateca Brasileira, na Vila Leopoldina, em São Paulo, o maior centro audiovisual da América do Sul, fechado desde 2020.

O último aviso foi na semana passada, quando o Ministério Público Federal (MPF) alertou as autoridades sobre o risco de incêndio. No entanto, nenhuma medida foi tomada.

A ABI protesta contra o descaso e inação das autoridades bolsonaristas da área cultural, que não providenciaram as medidas de proteção à Cinemateca, resultando na queima do acervo do Cinejornal, único e sem cópia.

Diante destes fatos, cabe ao Ministério Público Federal responsabilizar judicialmente os responsáveis por mais este crime contra a cultura nacional.


Paulo Jeronimo de Sousa

Presidente da ABI"

300x250px.gif
728x90px.gif