Cloroquina: governadores não seguirão novo protocolo


Quase todos os governadores deverão ignorar o protocolo estabelecido por Jair Bolsonaro para uso da cloroquina no tratamento de pacientes com coronavírus. Segundo informação publicada nesta terça-feira (19) no jornal O Estado de S.Paulo, governadores irão manter o que já vem sendo feito nos seus Estados, com uso da cloroquina sob  responsabilidade de médicos.

“A decisão deve ser do médico e do paciente, conforme a orientação atual”, disse Eduardo Leite (PSDB-RS). Já Helder Barbalho (MDB-PA) diz que vai manter as regras “como estão atualmente”.

Além de não haver nenhuma comprovação científica de que a substância tenha efeito, governadores dizem que “o novo protocolo nem de perto atua nos principais problemas do coronavírus: falta de respiradores, leitos, etc”.

O Ministério da Saúde, na prática sob intervenção com o general Eduardo Pazuello, vai anunciar orientação do uso de cloroquina para casos leves, com indicação de dosagem máxima, apesar de todos os estudos indicarem elevado risco de morte por prescrição similiar. A proposta já foi apresentada ontem ao presidente Jair Bolsonaro, que tem o medicamento como uma “salvação”. O novo protocolo foi a gota d’água para o pedido de demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde.

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif
Toda Palavra 077 - páginas centrais.jpg

Leia a versão digital da edição impressa do TP